Artistas que deveriam retornar aos palcos

Redação Publicado em 06/03/2012, às 14h52 - Atualizado às 15h10

David Bowie

Fugazi

A lenda do punk Fugazi nunca se separou de verdade, mas não fizeram shows nem fizeram novas músicas desde o fim da turnê do disco The Argument, em 2002. Dez anos depois, não há sinais de que o grupo vá retomar do ponto onde parou – o que significa que uma geração inteira de punks pode não ter a chance de ver um dos mais poderosos artistas ao vivo dos anos 90. Três quartos da banda se dedicaram a outros projetos, mas o cofrontman Guy Picciotto tem permanecido em silêncio desde o último show do Fugazi. Como você pode ver nesse vídeo, é uma grande perda para o mundo da música.


Oasis

Levando em consideração a natureza volátil da relação entre Liam e Noel Gallagher, a separação era só uma questão de tempo. Os dois lançaram novas músicas em 2011, mas os fãs já imploram para que eles façam as pazes e a banda retorne aos palcos. O aniversário de 20 anos dos dois primeiros álbuns do Oasis, Definitely Maybe (1994) e (What's the Story) Morning Glory? (1995), está próximo. Parece uma boa ideia celebrar isso na estrada – nem que seja apenas para vender milhares de ingressos de shows.


Os Mutantes

Os Mutantes ainda estão na estrada, mas sem Arnaldo Baptista e Rita Lee. Então, não dá para dizer que a banda levada em frente pelo guitar hero Sergio Dias é realmente o Mutantes. Arnaldo chegou a participar de alguns shows quando o grupo anunciou o retorno, em 2007, que também tinha na formação a cantora Zélia Duncan, mas ambos saíram no final daquele ano. Rita Lee não quis saber da ideia, e no início de 2012, anunciou que estava deixando os palcos. Portanto, a probabilidade de uma reunião é quase nula. Mas não custa sonhar.


Pink Floyd

O Pink Floyd está extinto desde que a turnê Division Bell acabou em 1994, mas os integrantes deixaram as diferenças de lado para breves reuniões, como aconteceu no Live 8, em 2005, e na performance de "Comfortably Numb" durante um show solo de Roger Waters em 2011, em Londres, na turnê The Wall Live. Apenas Nick Mason se mostra favorável a uma reunião, então ela realmente não deve acontecer.


Secos & Molhados

O Secos & Molhados fez história na década de 70 com as letras de João Ricardo, a performance de Ney Matogrosso e o visual da banda (há quem diga que foi deles que o Kiss tirou a ideia de pistar o rosto). A formação clássica durou de 1971 a 1974. Depois disso, João Ricardo seguiu com novos integrantes (ele inclusive anunciou recentemente um show em São Paulo), mas nunca atingiu o mesmo sucesso de quando tinha Ney nos vocais. Seria incrível ver a banda reunida, mas o cantor segue firme na carreira solo. “Eu estou tocando a minha vida, isso é passado”, ele disse recentemente à Rolling Stone Brasil.


Led Zeppelin

Para qualquer um que nasceu tarde demais para conseguir ver um show do Led Zeppelin ao vivo, assistir a vídeos da banda no palco pode ser uma experiência dolorida. O grupo se juntou poucas vezes desde que o baterista John Boham morreu, em 1980. Robert Plant e Jimmy Page saíram juntos em turnê, mas Plant é completamente contra uma reunião. Olhando para trás, é fácil ver por que os integrantes relutam em se reunir sem John Boham – ele é um dos melhores bateristas de todos os tempos, e crucial para o som do Led Zeppelin.


The Smiths

A essa altura, as chances de o Smiths se reunir são tão boas quanto as chances de você conseguir construir uma máquina do tempo. Apesar da amargura de Morrissey para com seus antigos companheiros, fãs ainda têm esperanças de vê-lo tocar com o guitarrista Johnny Marr. Pelo menos Morrissey toca músicas da banda em seus shows solo, como os brasileiros irão ver nos próximos dias.


Talking Heads

Embora tenham se reunido para uma rápida apresentação no Hall da Fama do Rock and Roll, em 2002, o Talking Heads está separado desde 1991, e sem fazer turnês desde 1983. David Byrne está distante de seus antigos companheiros de banda, e toca uma boa parte do repertório do grupo em seus shows solo. Então, é bem improvável que ele reúna o grupo. Mas isso, por um lado, é bom, já que provavelmente eles não se divertissem tocando juntos hoje em dia. Mas é difícil ver um show dos integrantes em seus melhores dias, como nesse vídeo de 1980, sem querer entrar em uma máquina do tempo para assistir a uma apresentação deles.


Sepultura

O Sepultura nunca se separou, mas perdeu os dois fundadores da banda ao longo do caminho. Primeiro, Max Cavalera, que deixou o grupo em 1996 (o estopim para a saída do vocalista foi a demissão de Gloria, esposa de Max, que era empresária do grupo). Cerca de dez anos depois, foi a vez de Iggor, que posteriormente passou a se dedicar ao projeto eletrônico Mixhell, ao lado da esposa, Laima Leyton. Os irmãos Cavalera voltaram a tocar juntos no Cavalera Conspiracy, mas um retorno ao Sepultura - que hoje ainda conta com dois membros da formação "clássica", o baixista Paulo Xisto e o guitarrista Andreas Kisser - parece muito distante dos planos, embora Max já tenha se mostrado a favor da ideia. “Acho que agora vai depender deles, porque tentei muito”, ele disse em entrevista à Rolling Stone Brasil, no início de 2011. “Acho que é uma coisa que tem que dar um tempo, esperar o que acontece no futuro. Essa história da reunião já tem 12, 13 anos. Se eles sentirem que querem, se a gente sentir que quer também, aí vai rolar. Se não rolar, é porque não era pra ser.”


Novos Baianos

Sem Moraes Moreira, a banda se reuniu para um celebrado show na Virada Cultural de 2009. E foi só. Moreira alegou na época que tinha um show marcado para a mesma data, e meses depois, subiu ao palco pela primeira vez em 12 anos ao lado de Pepeu Gomes. E, em entrevista à Rolling Stone Brasil naquele ano, descartou a possibilidade de uma reunião, pelo menos em um futuro próximo. "Não entendo por que esperam esta volta convencional [do grupo]. Até porque não acho que tenha que voltar.”


The Replacements

O The Replacements sempre esteve à beira do fim, e quando eles finalmente se separaram no verão de 1991, foi para valer. Há uma pequena chance de que o vocalista Paul Westerberg se reúna com os integrantes sobreviventes da banda, mas não parece muito provável.


OutKast

Fora o fato de terem dividido os microfones em uma ou outra faixa, os rappers Big Boi e Andre 3000 estão separados desde que o OutKast lançou Stankonia, em 2000. Eles não se separaram oficialmente, e de tempos em tempos deram aos fãs a esperança de que iriam gravar um novo disco. Ou não: Andre 3000 disse recentemente à revista GQ que não sabe “se ou quando” um novo trabalho do OutKast será feito.


Ira!

O Ira! acabou em 2007, depois de uma briga pública entre o vocalista Nasi e seu irmão, Airton Junior, empresário da banda. O guitarrista Edgard Scandurra criticou as atitudes de Nasi, que deixou o grupo repentinamente. Scandurra até afirmou, na época, que a banda seguiria em frente, mas hoje ele toca e faz parcerias com músicos da nova geração, como Karina Buhr, com a qual excursiona atualmente. Nasi fez um trabalho como ator e segue fazendo shows solo. Uma reunião parece muito improvável.


Titãs

Em 2012, completam-se 30 anos do primeiro show dos Titãs – momento mais que oportuno para uma reunião com todos os integrantes originais remanescentes. A banda já afirmou que deve fazer shows para celebrar a data, mas não há nada confirmado sobre a participação de Charles Gavin, Arnaldo Antunes e Nando Reis.


David Bowie

David Bowie se tornou recluso desde que terminou a turnê do disco Reality, em 2004. Nesse meio tempo, ele lidou com problemas de saúde, mas ocasionalmente ainda aparece em público. Há uma boa chance de Bowie ter se aposentado do show business sem alarde – mas ele também pode estar esperando o momento certo para lançar novas músicas. Só o tempo poderá dizer.