Bandas que carregam a morte no nome

Redação Publicado em 02/11/2011, às 10h14 - Atualizado às 10h43

Grateful Dead
Foto: AP
A morte sempre foi tema prolífico para artistas - tanto que, na música, muitos deles resolveram tê-la no nome. De artistas que nada têm de mórbidos, como o Death Cab for Cutie, ao precursor de um dos gêneros mais pesados do metal, o Death, selecionamos dez bandas que não tiveram receio em homenagear a palavra (death, em inglês) ou derivadas (como a brasileira Dead Fish, "peixe morto", em português).

O Grateful Dead foi um dos grandes representantes da música norte-americana, enquanto se manteve na ativa. Ícone da década de 60, a banda surgiu em São Francisco em 1965 fundindo gêneros como jazz, rock psicodélico, reggae e blues em uma grande mistura que resultou em discos como Aoxomoxoa e Workingman's Dead, que ao vivo se transformavam em grandes jams sessions nas mãos de Jerry Garcia, Bob Weir, Phil Lesh e Bill Kreutzmann.
O nome do Eagles of Death Metal surgiu de uma conversa entre o vocalista Jesse Hughes e o músico Josh Homme, líder do Queens of the Stone Age, com quem fundou o grupo. O título veio à mente de Homme após ser introduzido ao gênero do death metal por um amigo, e se referir ao grupo Vader como "os Eagles [banda famosa pelo hit 'Hotel California'] do death metal".
O duo Death From Above 1979, assim como foi o White Stripes, é uma banda que só contém um baterista e um músico com instrumento de cordas. A diferença, porém, é que a guitarra neste contexto é substituída por um baixo distorcido tocado por Jesse F. Keeler, enquanto Sebastien Grainger é o responsável pelos vocais e bateria da banda. A dupla havia encerrado suas atividades em 2006, mas anunciou um retorno no início deste ano. O único disco de estúdio é You're a Woman, I'm a Machine, de 2004.
Liderada por Ben Gibbard (que acabou de se separar da atriz Zooey Deschanel), o Death Cab for Cutie tem morte no nome, mas a maioria de suas canções não trazem a agressividade costumeira das bandas aqui citadas. O som do Death Cab é, na maioria das vezes, melancólico e reflexivo, como em "I Will Follow You into the Dark" e nas canções de discos como Plans (2005) e Codes and Keys, lançado este ano. Um dos álbuns da banda, We Have the Facts and We're Voting Yes (2000), é um disco conceitual, que versa sobre o fim de um relacionamento.
Mais um dos projetos paralelos do prolífico Jack White, o Dead Weather surgiu como uma opção de música mais pesada aos outros trabalhos do músico, o Raconteurs e o finado White Stripes. Ao lado de Alisson Mosshart, vocalista do The Kills, White lançou dois discos, Horehound e Sea of Cowards, que passeiam entre o blues e o hard rock, com White na bateria.
O nome do Dead Kennedys tem uma inspiração simples de identificar: uma "homenagem" à morte dos irmãos Kennedy, Robert e John, que foram assassinados durante década de 60 e representaram figuras importantes na luta pelos direitos civis, tema que era fortemente abordado em álbuns como Fresh Fruit for Rotting Vegetables (1980). Esse, que é o primeiro disco do grupo, serviu de influência para a maioria das bandas de punk rock que vieram depois do grupo do vocalista Jello Biafra.
O Dead Fish representa um dos grupos de maior tempo de existência do hardcore brasileiro. Completando 20 anos em 2011, a banda lançou seu primeiro álbum de estúdio apenas em 1998, Sirva-se. Desde então, foram nove discos de estúdio e um álbum ao vivo, sendo o vocalista Rodrigo Lima o único membro constante desde o início do Dead Fish.
Tendo adquirido o nome por meio de uma música do grupo Rocket from the Tombs, os Dead Boys foram uma das bandas pioneiras do punk rock nova-iorquino, apesar de nunca terem alcançado a mesma popularidade de contemporâneos como Stooges ou Ramones. Liderada por Stiv Bators, a banda teve a curta duração de apenas dois discos e é conhecida pelo grande público pela música “Ain’t It Fun”, canção para a qual o Guns N'Roses dedicou uma versão no disco de covers The Spaghetti Incident?.
Talvez com o nome mais criativo das bandas citadas nesta lista, o ...And You Will Know Us by the Trail of Dead talvez incite mais perigo em sua alcunha (“...e você vai nos conhecer pela trilha de mortos”) do que nas suas músicas, focadas mais em um estilo de rock alternativo e no hardcore. Tendo lançado o primeiro disco, homônimo, em 1998, o Trail of Dead se mantém na ativa até os dias de hoje, sendo Tao of the Dead (2011) o trabalho mais recente da banda. Ao vivo, o grupo é famoso por se revezar entre os instrumentos e destruí-los no final de cada apresentação.
Considerada a banda precursora do death metal, o Death não poderia ter um nome mais sugestivo. Surgido em 1983, o grupo se destacou entre as bandas de heavy metal dos anos 80 pelo vocal característico do cantor e guitarrista Chuck Schuldiner, que foi pioneiro no uso de vozes guturais nos discos da banda. Scream Bloody Gore, de 1987, permanece como o registro mais potente da banda, que ainda gravou sete discos de estúdio antes da morte de Schuldiner em 2001, em decorrência de um tumor no cérebro.