Em série, blogueiros de moda trabalham em fábrica no Camboja

Sweatshop Deadly Fashion levou três jovens fashionistas para vivenciarem durante um mês o cotidiano de um operário têxtil

Redação Publicado em 28/01/2015, às 14h08 - Atualizado às 16h16

Sweatshop Deadly Fashion
Reprodução/Vídeo

"Os jovens da Noruega gastam uma quantidade enorme de dinheiro em roupas, mas eles não fazem ideia de onde elas realmente são produzidas", é o que afirma o diretor norueguês Joakim Kleven, responsável por coordenar o experimento do jornal Aftenposten, que levou três jovens fashionistas para para vivenciarem durante um mês o cotidiano de um operário têxtil no Camboja.

O Verdadeiro Preço do Etanol

Durante o reality Sweatshop Deadly Fashion, os blogueiros Anniken Jørgensen, Frida Ottesen e Ludvig Hambro abandonaram a vida deles na Noruega e foram a Phnom Penh, capital do Camboja, para trabalharem durante um mês em péssimas condições de trabalhos e recebendo baixos salários.

"Você senta na sua cama na Noruega e ouve sobre todos que sofrem. Você vê as notícias sobre tudo isso. Então eu dizia para mim mesma que existe muita gente que nasce para fazer uma só coisa na vida", diz Anniken, reconhecendo certa apatia ante as denúncias de exploração da mão de obra na indústria têxtil.

Escravistas têm apoio político para sair de lista negra

Ao visitar a casa de uma das operárias, os jovens destacaram que o apartamento da trabalhadora era menor do que o banheiro das casas de cada um deles. Os blogueiros também reconheceram que, antes da participação no reality, costumavam gastar cerca de €600 por mês em roupas. Em um dos cinco episódios do projeto, Anniken indaga: "Eu não aguento mais. Que tipo de vida é essa?”.

A libertação de Steve McQueen

Os cinco capítulos da série estão disponíveis através do site do Aftenposten com legendas em inglês e espanhol.

Assista ao trailer do reality Sweatshop Deadly Fashion: