Pulse

Dez grandes canções de Chuck Berry, que faz 90 anos

Redação Publicado em 18/10/2016, às 13h11 - Atualizado às 13h12

Chuck Berry
GILLES PETARD/REDFERNS

"Maybellene"



O primeiro hit de Berry foi também uma das canções que inauguraram a era do rock and roll. Lançada em 1955, "Maybellene" tinha uma melodia acelerada e sincopada, ideal para ilustrar a letra. Nela, Berry o fala de uma corrida entre um Cadillac Coupe de Ville e um Ford V8 e da garota que dá título à canção. O lado B do single era o blues “Wee Wee Hours”


"You Can't Catch Me"



Chuck Berry apresentou esta faixa no filme Rock, Rock, Rock!. O lado B do single era “Havana Moon”, que agora batiza o documentário sobre os Rolling Stones em Cuba. Em 1964, a banda liderada por Mick Jagger e Keith Richards gravou a faixa para o álbum The Rolling Stones No. 2. Nos anos 1970, os editores musicais que administravam a obra de Chuck Berry achavam que “Come Together”, clássico dos Beatles lançado em Abbey Road (1969), plagiava certas partes de "You Can't Catch Me". O caso foi resolvido fora do tribunal. John Lennon concordou em regravar a faixa para o disco de oldies Rock 'n' Roll, lançado em 1975.


"Roll Over Beethoven"



Mais uma canção de Berry sentenciando que o rock vinha para ficar. "Tire esse Beethoven e coloque para rolar um rhythm and blues", ele dizia a um DJ na faixa lançada em 1956. Os Beatles gravaram a canção no álbum With The Beatles (1963), com George Harrison no vocal solo.


“Johnny B. Good”



Uma celebração do oficio de guitarrista, a imortal "Johnny B. Good" traz um dos mais conhecidos riffs de toda a história do rock. A canção foi lançada em 1958 e logo se tornou marca registrada de Berry. Um grande número de artistas a regravou, dentre eles Elvis Presley, Jimi Hendrix e até os Beatles.


"Rock and Roll Music"



O título já diz tudo. Em “Rock and Roll Music”, lançada em 1957, Berry não deixava dúvidas que o rock era a música iria conquistar o planeta de vez . Ele falava que não estava interessado em ouvir mambo, tango ou qualquer outro ritmo. O que importava mesmo eram o pianista e o saxofonista detonando no rock and roll. Os Beatles gravaram uma versão fenomenal da faixa, com John Lennon no vocal. Ela foi incluída no álbum Beatles for Sale (1964).


"Carol"



Chuck Berry tinha um enorme talento para celebrar ao mesmo tempo garotas e o rock and roll. O hit "Carol, de 1958, é um destes casos. O riff também é um dos mais marcantes criados por ele. Os Rolling Stones gravaram a faixa em seu álbum de estreia, autointitulado, lançado em 1964. Já os Beatles registram "Carol" na rádio BBC, com John Lennon no vocal principal.


"School Day (Ring! Ring! Goes the Bell)"



Chuck Berry argumenta aqui que a vida do estudante é chata e difícil – ele tem que aprender matemática e história norte-americana para poder passar de ano. Mas quando finalmente toca o sinal anunciando a hora ir embora, chega a vez de deixar a carteira escolar e cair no rock. A faixa de 1957 encerra com o autor entoando um verdadeiro grito de guerra: “hail, hail rock and roll" (salve, salve o rock and roll").


"Sweet Little Sixteen"



A canção de 1958, que chegou ao segundo lugar do top 10 pop, celebra as delícias o rock. A garota usada na narrativa tem apenas 16 anos e não pensa em outra coisa a não ser dançar rock and roll. E, como ela, todo mundo estava fazendo isso nos Estados Unidos. Em 1963, Brian Wilson usou a melodia de "Sweet Little Sixteen" para construir "Surfin' USA", grande hit dos Beach Boys.


"Memphis, Tennessee"



Esta é uma das mais duradouras criações de Chuck Berry. Ela foi regravada por muita gente. Em 1964, Johnny Rivers chegou ao segundo lugar com uma versão gravada ao vivo. Elvis Presley também registrou a faixa no mesmo ano. O curioso é que os Beatles e os Rolling Stones nunca registraram "Memphis, Tennessee" oficialmente, mas fizeram versões dela para a rádio BBC.


"You Never Can Tell"



Na metade dos anos 1960, a carreira de Chuck Berry tinha decolado novamente, já que grupos ingleses como os Beatles, The Animals, Rolling Stones e outros estavam gravando várias faixas dele. "You Never Can Tell", lançada em 1964, fez sucesso na época, alcançando o top 20. Mas a faixa ganhou uma nova vida em 1994, quando foi apresentada no filme Pulp Fiction – Tempo de Violência na memorável cena de dança protagonizada por John Travolta e Uma Thurman.