Dez filmes que ajudaram a romper preconceitos sobre o HIV

Redação Publicado em 01/12/2014, às 18h51 - Atualizado em 11/02/2015, às 19h40

Muitos filmes abordaram a luta contra a Aids e ajudaram a conscientizar pessoas e quebrar tabus sobre a doença. Muitos deles foram reconhecidos e aclamados pela crítica e se destacaram em grandes premiações como o Oscar e o Emmy. Veja a lista a seguir.
Reprodução

Vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2000, Tudo Sobre Minha Mãe, de Pedro Almodóvar, acompanha Manuela, que decide encontrar o pai do filho dela, Esteban, após a morte dele por atropelamento. Ao encontrar Esteban (pai), ela descobre que ele, agora HIV positivo, se tornou travesti e assumiu o nome Lola. O filme não só aborda a questão da AIDS, como o da transexualidade, identidade de gênero, religião, fé e existencialismo.
Em 1998 Angelina Jolie estrelou Gia - Fama e Destruição, a cinebiografia da modelo Gia Carangi, que se tornou um fenômeno da moda nos anos 1980. Viciada em heroína, a jovem contraiu o vírus HIV ao consumir a droga com uma agulha contendo sangue infectado. Em 1999, o longa rendeu a Angelina o Globo de Ouro de Melhor Atriz em uma Minissérie ou Filme para Televisão.
A Cura aborda a AIDS de uma maneira diferente dos outros filmes desta lista. Eric descobre que o vizinho dele, Dexter, de apenas 11 anos, é HIV positivo. Aos poucos, ele se aproxima do garoto e da família de Dexter, enquanto a dele se desespera com a possibilidade de um contágio acidental. Quando eles ouvem falar sobre um médico de Nova Orleans que pode ter descoberto a cura para a doença, os amigos fogem de casa para encontrá-lo.
Meu Querido Companheiro, o primeiro filme sobre HIV/AIDS que chegou às telonas dos cinemas mainstream, acompanha a trajetória de um grupo de amigos gays que ficam assustados ao descobrir uma epidemia de "câncer" que afeta homossexuais. Tudo piora quando um deles aparenta ter contraído a doença. Bruce Davison foi indicado ao Oscar e venceu o Globo de Ouro em 1991 pela performance dele no filme.
O texto abaixo contém spoilers sobre o filme Preciosa - Uma História de Esperança

Preciosa - Uma História de Esperança mostra a vida nada fácil da adolescente Claireece Precious Jones (Gabourey Sidibe) no bairro do Harlem, em Nova York. Após ser violentada pelo pai e ter dois filhos que são frutos do abuso sexual, a jovem recebe a notícia de que ele morreu de AIDS. Eventualmente, ela descobre que contraiu o vírus, mas o bebê dela, Abdul, não.


Rent - Os Boêmios, adaptação de 2005 do musical homônimo da Broadway, acompanha um grupo de amigos que moram no East Village, em Nova York, e precisa lidar com questões como sexualidade, consumo de drogas, HIV e AIDS, além da falta de dinheiro para pagar o aluguel. O longa mostra um grupo de apoio para pessoas com a doença e o impacto que ela teve nos Estados Unidos nos anos 1980.
The Normal Heart mostra o surgimento do vírus HIV e da AIDS no início dos anos 1980, quando a doença ainda era chamada como "o câncer gay". Ned Weeks (Mark Ruffalo) ativista pelo direito dos homossexuais, inicia uma organização para combater a epidemia.
No longa nacional Boa Sorte, João (João Pedro Zappa) e Judite (Deborah Secco) encontram o amor em um local inusitado: dentro de uma clínica psiquiátrica, local em que ele está internado por depressão e ela, soropositiva em fase terminal, por dependência química. À medida em que o romance começa a se desenvolver, Judite questiona se a iminente morte dela pode afetar a saúde mental de João.
Em Clube de Compras Dallas, Ron Woodroof (Matthew McConaughey), um eletricista texano muito machista, é diagnosticado com AIDS. Lutando contra a expectativa de vida de 30 dias, ele começa a contrabandear remédios do México que ainda não foram aprovados nos Estados Unidos. Baseado em fatos reais, o longa venceu três categorias no Oscar de 2014: Melhor Ator (Matthew McConaughey), Melhor Ator Coadjuvante (Jared Leto) e Melhor Cabelo e Maquiagem (Adruitha Lee, Robin Mathews).
Cazuza - O Tempo Não Para, de 2003, mostra a luta do ex-vocalista do Barão Vermelho contra a AIDS. Na época, pouco se sabia sobre o HIV: ao contrair o vírus, Cazuza, interpretado no filme por Daniel de Oliveira, é instruído a não beijar, não dividir roupas dele com ninguém e separar todos os objetos de uso pessoais. Depois, ele é levado pelos pais aos Estados Unidos, para ser tratado no New England Hospital, de Boston.
Filadélfia foi um dos primeiros longas hollywoodianos a abordar o tema HIV/AIDS, além falar sobre homossexualidade e homofobia. Andrew Beckett (Tom Hanks) é um advogado gay bem-sucedido que é demitido da firma em que trabalha ao revelar que é portador do vírus. Beckett, então, recruta outro advogado para ajudá-lo a levar o caso injusto ao tribunal. Hanks recebeu o Oscar de Melhor Ator em 1994 pelo papel e o filme ainda venceu na categoria de Melhor Canção Original, com a faixa "Streets of Philadelphia", de Bruce Springsteen.