The Doors: dez grandes momentos de Ray Manzarek

Redação Publicado em 21/05/2013, às 17h46 - Atualizado às 17h58

Dez grandes momentos de Ray Manzarek no The Doors
AP

“ Riders On The Storm”

Comecemos por esse clássico. Lançada em 1971, no disco L.A. Woman, a faixa mostra a incrível qualidade e versatilidade de Manzarek . Ele sola em quase toda a música, mas o faz criando sonoridades que rementem ao clima da faixa, como se as gotas de chuva estivessem realmente caindo pesadamente, como canta Morrison.


“Hello, I Love You”

Ainda que os versos não sejam dos mais inspirados, a sonoridade adotada por Manzarek aqui explora distorções que seria usadas muitos, muitos anos depois, pelo punk rock. E, veja bem, essa faixa é do disco Waiting for the Sun, de 1968.


“Roadhouse Blues”

Um belo exemplo de teclados inspirados nas raízes do delta blues. É possível perceber uma sonoridade diferente de Manzarek, causada porque, para gravar esta faixa, ele deixou o teclado de lado e foi para o piano. Um clássico do Doors do disco Morrison Hotel (1970).


“L.A. Woman”

Na faixa que deu nome ao disco de 1971, o Doors chamou outros músicos para aumentar o peso da canção. Mesmo diante de uma segunda guitarra e um baixista, é possível sentir o groove e o funk do tecladista.


“The Crystal Ship”

Uma poderosa canção do Doors que acabou ofuscada pelo sucesso de “Light My Fire”. Ela foi lançada como lado B do single da faixa mais popular da banda. Depois de um início com a voz de Morrison em eco, o voo solo de Manzarek emula solidão e vazio.


“When The Music is Over”

O Doors decidiu finalizar o disco Strange Days com esta épica música de quase 11 minutos de duração. Manzarek cria as texturas de base desta vez, para que Morrison solte a voz e Robby Krieger dê altos voos com a guitarra. Curiosidade: no dia em que os instrumentos foram gravados em estúdio, o vocalista da banda não estava presente. Então, eles usaram a voz de Manzarek como base.


“ Strange Days”

Ouça somente os primeiros segundos. Um dos melhores momentos de um Manzarek bastante inspirado. Foi uma das primeiras vezes em que ele usou sintetizadores Moog. A faixa deu nome ao disco de 1967, o segundo da discografia do grupo.


“Close To You”

O tecladista assumia o papel de vocalista do Doors ocasionalmente enquanto Morrison estava vivo. Quando o poeta e cantor morreu, em 1971, ele ocupou o cargo em dois discos, Other Voices (1971) e Full Circle (1972). Aqui, uma versão ao vivo de “Close To You”.


“ Light My Fire”

Primeiro single do Doors e hit estrondoso. A popularidade da faixa acabou por desgastá-la, mas é um ótimo exemplo da personalidade musical de Manzarek: riffs precisos, com doses de repetições em loop e efeitos viajantes.


“ The End”

Outro hit do Doors. Manzarek demora cerca de um minuto para aparecer. E, aos poucos, vai crescendo e ganhando importância, principalmente porque ele dá à faixa um mistério, com ruídos de fundo. Mesmo quando estava em segundo plano, o músico sabia como adicionar pitadas de psicodelia.