Pulse

Musas inspiradoras: dez mulheres que renderam sucessos da música pop

Redação Publicado em 12/09/2012, às 15h33 - Atualizado às 16h05

Helô Pinheiro
Reprodução / Site Oficial

Robbie Williams abre a faixa “South of the Border”, lançada em 1997, falando que conhece uma jovem moça louca com o nome de “Cocaine Katy”. Mais tarde, ele esclareceu que a garota é ninguém menos que a modelo Kate Moss. Ela também é a inspiração de “What Katy Did Next”, composta por Pete Doherty, na época seu namorado, com a banda Babyshambles.
Cássia Eller morava no 12º andar de um prédio do bairro das Laranjeiras, no Rio de Janeiro. É ela a dona do All Star azul homenageado na canção de Nando Reis – música inclusive registrada pela cantora pela primeira vez em álbum póstumo lançado logo após sua morte.
Eram muitos os hóspedes célebres acostumados a se alocar no Hotel Chelsea, em Nova York. De escritores como Charles Bukowski e Jack Kerouac a músicos como Leonard Cohen e Janis Joplin, que viveram uma relação amorosa. O compositor já revelou, após a morte de sua amiga e amante, que se arrependeu de ter exposto tanto o relacionamento entre os dois nas linhas de “Chelsea Hotel No. 2”.
A boate Frenetic Dancing Days Discotheque, fundada por Nelson Motta, marcou época no Rio de Janeiro, onde esteve em atividade nos anos 70. Era lá que dançava Sônia Braga, também protagonista da novela global Dancin' Days, quando com sua “pele de ouro marrom” e “íris cor de mel” inspirou Caetano Veloso a compor “Tigresa”.
A escritora Prudence Farrow, irmã da atriz Mia Farrow e filha do diretor John Farrow, não bastasse as afiliações cinematográficas, inspirou John Lennon a escrever a faixa “Dear Prudence”, que pede para que a “querida Prudence venha para fora brincar”. Isto porque a escritora naquela época estava aplicada à técnicas de yoga e vivia reclusa em uma cidade de Índia.
São diversos os duetos de Jay-Z com sua esposa desde que começaram a cantar juntos, quando se conheceram, na faixa “'03 Bonnie & Clyde”, de 2002. Mas poucas vezes a inspiração em Beyoncé ficou tão evidente como na faixa “Lost One”, de 2006, quando o rapper fala de uma garota chamada “B” que insiste em gostar mais do trabalho do que dele.
São muitas as mulheres homenageadas por Jorge Ben Jor. De Bebete a Tereza, Rosa a Irene, o músico sempre aproveitou seu sentimento por elas para criar novas canções. Na faixa “Ive Brussel”, por exemplo, ele conta de uma mulher com “mania sensual” que o recebeu muito bem. Trata-se de uma fã belga, Ive Brussel, que hospedou o cantor durante sua passagem na década de 70 pela Europa e foi recompensada com uma homenagem que virou um clássico da música brasileira.
Difícil alguém bater a modelo Pattie Boyd no quesito “musa inspiradora do rock”. Além de ter sido cantada pelos Beatles nas faixas compostas por George Harrison “I Need You” e “For You Blue”, foi também pensando nela que Eric Clapton compôs um de seus maiores sucessos, “Layla”, de 1971.
Os Rolling Stones não tiveram nenhum pudor em revelar logo no título que a canção “Pass the Wine (Sophia Loren)”, gravada para o álbum Exile on Main St. mas lançada apenas mais recentemente, foi feita para a atriz Sophia Loren. Infelizmente para a moça ela teve que esperar quase 40 anos para se descobrir musa de Mick Jagger e companhia.
Já dava para desconfiar, mas Mallu Magalhães confirmou durante entrevista na MTV que os álbuns Pitanga, dela, e Toque Dela, de Marcelo Camelo, são quase um diálogo entre os dois. De fato, ambos parecem ser personagens constantes nas músicas do outro, e por isso muito provavelmente é a cantora a morena que “sabe bem onde fica toda dor” da faixa “Pra Te Acalmar”.