Jorge Ben Jor: relembre 25 grandes músicas do cantor e compositor

Redação Publicado em 22/03/2012, às 06h51 - Atualizado às 15h29

Jorge Ben Jor comemora nesta quinta, 22, 67 anos. Ao longo da carreira, iniciada no começo dos anos 70, lançou um hit dançante e marcante atrás do outro. Selecionamos 25 grandes músicas do artista para celebrar o aniversário dele.
Reprodução/Site oficial

"Ponta de Lança Africano (Umbabarauma)" - Lançada em 1976, é a primeira faixa do álbum África Brasil. Na canção é contada a história de um jogador de futebol africano chamado Umbabarauma. Em 2010, Jorge Ben regravou a canção com Mano Brown.

“Minha Menina” - A canção tornou-se famosa na versão dos Mutantes, lançada no álbum homônimo da banda, em 1968. Dois anos depois, no disco Technicolor, Rita Lee, Sérgio Dias e Arnaldo Baptista gravaram uma versão em inglês com o nome de "She's My Shoo Shoo”.


“Os Alquimistas Estão Chegando” - Lançada em 1974, a canção faz parte de A Tábua de Esmeralda, um dos álbuns mais representativos da discografia de Jorge. A música é uma das mais simbólicas da fase esotérica do cantor carioca.
"Jorge da Capadócia" - Lançada em 1975, faz parte do álbum Solta o Pavão. A canção ganhou versões de nomes como Caetano Veloso, Fernanda Abreu, Racionais MC's e Alcione. A base é conhecida: lembra "Ike's Rap II", da lenda do soul Isaac Hayes (ela é sampleada na versão dos Racionais e foi usada pelo trio de trip-hop Portishead em um de se seus maiores hits, "Glory Box").
“Ive Brussel” - Lançada em 1979, "Ive Brussel" integrou o álbum Salve Simpatia, com a participação especial de Caetano Veloso. De acordo com Jorge, Ive Brussel é o nome de uma fã belga por quem ele se apaixonou em uma de suas viagens.
"Chove Chuva" – Composição de Jorge que também faz parte de seu primeiro disco. Ganhou versões de nomes como Elza Soares e Jair Rodrigues. Em sua passagem pelo Brasil em 2010, o Black Eyed Peãs chamou Jorge ao palco para cantar a música - uma prova do alcance global da estrela brasileira.
"Mas que Nada" - Gravada em 1963, para seu primeiro álbum, Samba Esquema Novo, “Mas que Nada” é o primeiro grande sucesso de Jorge Ben. É também é uma das canções brasileiras mais conhecidas nos Estados Unidos, após ser gravada por Sérgio Mendes. Recentemente, "Mas Que Nada" foi remixada e regravada pelo grupo Black Eyed Peas.
"A Banda do Zé Pretinho" – A canção faz parte de seu décimo sétimo álbum e dá nome ao disco. O trabalho marca a mudança de sua banda: “Admiral Jorge V” dá lugar à “A Banda do Zé Pretinho”.
"Zazueira" - Gravada em 1963 e lançada em compacto simples, é outra composição de Jorge com inúmeras versões. Nomes como Elis Regina, Wilson Simonal e Golden Boys regravaram a canção.
"País Tropical" - Lançada em 1969, “País Tropical” fechou o ano como a canção mais tocada no Brasil. Com o passar do tempo, se tornou um dos maiores sucessos da carreira de Jorge Ben Jor.
"Taj Mahal" – Lançada em 1972, é um dos maiores sucessos do artista. Em 1978, o compositor acusou Rod Stewart de ter plagiado o refrão de Taj Mahal ("Tê-Tê-Teteretê") em “Da Ya Think I'm Sexy?”, grande sucesso do cantor escocês. Jorge Ben encaminhou processo contra Stewart, que culpou seu parceiro Carmine Appice pelo ocorrido.
"Charles Anjo 45" – Gravada em 1969, faz parte do álbum Jorge Ben. A canção é uma homenagem a um famoso bicheiro do bairro da Tijuca. De acordo com Jorge, na época de sua infância, Charles protegia o pessoal de seu bairro.

"W/Brasil (Chama o Síndico)" - Lançada em 1990, em formato compacto, a canção trouxe Jorge novamente para as rádios brasileiras. O "síndico" mencionado na canção é uma alusão ao cantor Tim Maia.


"Engenho de Dentro" – Talvez a canção mais carioca de Jorge Ben Jor. Segundo o compositor, retrata situações da cidade e do subúrbio. É uma canção essencialmente urbana.

"Fio Maravilha" - Lançada no álbum Ben, em 1972. Seu título é uma homenagem ao jogador de futebol João Batista de Sales, conhecido pelo apelido. A música chegou a ser cantada pela torcida do Flamengo em partidas no estádio do Maracanã. Anos mais tarde, após uma série de questões jurídicas sobre os seus direitos autorais, Jorge precisou mudar a letra para "Filho Maravilha”.


"Spyro Gyro" - Criada em homenagem ao plâncton, "Spyro Gyro" é uma grande brincadeira. "Spyro Gyro é Spyro Gyro / É Spyro Gyro / É um bichinho bonito verdinho/ que dá na água", diz a letra. Nos shows mais recentes, a canção costuma ser executada em um medley com "País Tropical".
"Salve Simpatia" - A música deu nome ao disco de 1979, embora tenha se tornado conhecida por muitos como “Para Animar a Festa”. O álbum em questão, o décimo oitavo da carreira de Ben Jor, veio logo após Tropical e A Banda do Zé Pretinho, feitos com o mercado internacional em vista. A animada faixa é garantia de sucesso em shows, mas também em casamentos, formaturas e aniversários.
“Por Causa de Você Menina” - A faixa, embora seja do primeiro disco do artista, Samba Esquema Novo, é uma das mais lembradas até hoje. Ganhou dois covers bem famosos: de Leila Pinheiro (em 1993, no disco Coisas do Brasil) e de Ivete Sangalo (que saiu em 2002 no Multishow - Ao Vivo).
“Menina Mulher da Pele Preta” - Foi uma das canções “peixe fora d’água” do disco A Tábua de Esmeralda, que representa a fase em que Ben Jor se interessou pela alquimia - e passou a fazer “alquimia musical”. Esta canção de sucesso, porém, fala somente do sorriso, da pele, dos olhos e do corpo da menina que tira o sono do eu lírico.
“Que Pena” - Da época quando ele ainda assinava como Jorge Ben, em 1969, a canção se tornaria uma das mais regravadas da carreira do músico. Fizeram covers dela Gal Costa (em Gal Costa, 1969, tornando-se uma das intérpretes mais famosas da faixa), César Camargo Mariano (em Som 3, 1969), Joanna (em Alma, Coração e Vida, 1993), Paulo Ricardo (em O Amor me Escolheu, 1997), entre outros.
“Alcohol” - Também regravada por Gal Costa, a faixa é um dos sucesso mais recentes da carreira do cantor. Gravada no disco 23, de 1993, foi o primeiro single do trabalho.
“Take it Easy My Brother Charles” - Canção do aclamado do disco Jorge Ben, que iniciou a chamada “fase esotérica” de Jorge Ben Jor. Ganhou um cover d’ O Rappa, em 1994.
“Nascimento de Um Príncipe Africano” - Ao lado do The Fevers, grupo da Jovem Guarda, Jorge Ben gravou o disco O Bidú/Silêncio no Brooklin, em 1967. Foi nessa ocasião, trabalhando com o famoso grupo da época, que começou a se envolver mais com o rock. Esta faixa, que tem um quê de iê iê iê, é a segunda do disco.
“Balança Pema” - Amplamente divulgada na voz de Marisa Monte, a música foi o primeiro hit de Jorge Ben Jor, colocando no mapa o disco de estreia dele, Samba Esquema Novo, em 1963.
"Cadê Tereza" - A faixa de 1969, de Jorge Ben, ganhou no mesmo ano um cover bastante difundido, também, do Os Originais do Samba. Em 2001, ganhou uma versão do Farufyno.