Lady Gaga e o vestido da discórdia

Redação Publicado em 14/09/2010, às 15h20

Dois dias depois do VMA 2010, o vestido feito de pedaços de carne crua usado por Lady Gaga continua sendo assunto. De acordo com o tabloide britânico Daily Mirror, uma fonte próxima ao rapper Eminem revelou que ele reclamou que "não queria se sentar ao lado de uma pilha de carne crua a noite toda". Segundo a fonte, o músico teria ainda comentado que a roupa cheirava muito mal.

Como esperado, a organização de defesa dos direitos dos animais PETA se manifestou contra a indumentária. Ingrid Newkirk, fundadora da instituição, declarou que aquilo era "a carne em decomposição de um animal abusado que não queria morrer e depois de estar sob as luzes da TV ela cheiraria como a carne apodrecida que é". Newkirk ainda complementou que a carne estaria provavelmente infestada de vermes: "Não muito atraente, na verdade".

Em sua defesa, a cantora disse que seu visual tem muitas interpretações: "Se não exigirmos nossos direitos logo, teremos tantos direitos quanto a carne nos nossos ossos. E eu não sou um pedaço de carne". A declaração foi feita no programa da apresentadora norte-americana Ellen DeGeneres. Gaga concedeu a entrevista usando o famigerado modelito e Ellen escreveu mais tarde em seu site que, por mais que ame Lagy Gaga, ela também ama os animais e "foi muito difícil sentar ao lado dela enquanto ela estava usando aquela roupa". Mas a comediante complementou seu texto ponderando: "Qual a diferença entre a vestimenta dela e uma vestimenta feita de couro?"

O artigo do Daily Mirror termina brincando com duas curiosidades: o peso total dos trajes usados pela diva polêmica seria de mais ou menos quatro quilos e em um açougue do Reino Unido as peças custariam, ao todo, £15, mais ou menos R$ 40.