Lemmy: relembre dez momentos curiosos da carreira do líder do Motörhead

Paulo Cavalcanti Publicado em 28/12/2015, às 23h43 - Atualizado às 23h54

Galeria - Lemmy - abre
Felipe Dana/AP

Vocalista, baixista e líder do Motörhead, o lendário Lemmy morreu na segunda-feira, 28 de dezembro. Para lembrar a carreira do roqueiro, selecionamos dez momentos pouco conhecidos, curiosos e também icônicos da longa e variada trajetória musical de Lemmy.



Por Paulo Cavalcanti


"Stella" - The Rockin Vickers



Uma das primeiras bandas de Lemmy foi o Rockin’ Vickers. Nela, ele tocava guitarra. O compacto de estreia do grupo, lançado em 1965, tinha uma versão da conhecida "Zing! Went the Strings of My Heart" e “Stella”, uma composição original do quarteto. Nesta última, uma balada beat, o vocalista Harry Feeney dizia para a garota que dava título à canção: “Estou cansado de suas traições e mentiras/ Você me trouxe lágrimas e infelicidade”. Mas mesmo assim, com tanto sofrimento, o narrador da canção no final confessava que amava a garota de qualquer jeito.


"Silver Machine" - Hawkwind



O Hawkwind foi formado em Londres em 1969. O líder e fundador Dave Brock segue na estrada até hoje com uma versão reformada da banda. Mas o Hawkwind teve seu período de maior apelo comercial no começo da década de 1970, justamente quando Lemmy fazia parte da formação. O hit mais significativo dos músicos foi “Silver Machine”, que chegou ao terceiro posto da parada inglesa em 1972. Com Lemmy nos vocais, a faixa hoje é um clássico do rock espacial.


“Ace of Spades” - Motörhead



Em novembro de 1980, o Motörhead lançou o álbum Ace of Spades, que vendeu milhões e logo se tornou um cartão de visitas para a banda. A faixa-título também ganhou status de clássico imediato. Até morrer, Lemmy tinha em que cantá-la em absolutamente todas as apresentações da banda. Usando metáforas sobre o jogo de cartas e dados, “Ace of Spades” capturou com perfeição o espírito imprevisível da vida e personalidade de Lemmy.


"Please Don't Touch" - Motörhead e Girlschool



Em 1980, Lemmy e o resto da gangue do Motörhead se juntaram em às meninas do Girlschool, banda feminina de heavy metal. Juntos, gravaram o EP St. Valentine's Day Massacre. A canção de trabalho escolhida foi “Please Don’t Touch”, clássico de Johnny Kidd & The Pirates, pioneiros do rock inglês. Esta perfomance foi gravada em 1981 para o Top of The Pops, célebre programa musical da televisão britânica.


"Stand by Your Man" - Motörhead e Wendy O. Williams



Wendy O. Williams, vocalista da banda de punk norte-americana Plasmatics, ficou conhecida por suas perfomances selvagens no palco. Wendy, porém, sofria de depressão e tentou se matar várias vezes. Ela finalmente conseguiu em 1998, quando tinha 48 anos. Mas em dias mais felizes, Wendy se tornou grande amiga de Lemmy. Em 1982, gravou ao lado dele e de integrantes do Plasmatics e do Motörhead o EP Stand by Your Man. A faixa-título é um clássico da música country e foi um grande sucesso na voz de Tammy Wynette em 1968. Mas a versão criada por Lemmy e Wendy não tem nada de country – é um barulheira infernal.


"I Ain't no Nice Guy" - Motörhead



O álbum March ör Die (1992) é, até hoje, um dos mais controvertidos de toda a carreira do Motörhead. Nele, Lemmy e os companheiros deixaram um pouco a barulheira e tentaram seguir por um caminho mais pop e comercial. Parte da crítica e dos fãs rejeitaram o disco, mas a audição não deixa de ser curiosa, hoje em dia. Um dos destaques foi esta faixa, que começa acústica e reflexiva e depois vira uma power ballad. O mais interessante é ouvir Lemmy fazendo um dueto com Ozzy Osbourne. Slash aparece no final e rouba a cena com um eletrizante solo.


"The Trooper" - Lemmy Kilmister, Phil Campbell, Rocky George, Chuck Wright e Chris Slade



Uma das canções mais importantes de toda a trajetória do Iron Maiden, “The Trooper” saiu originalmente no álbum Piece of Mind (1983). O tributo Numbers from the Beast: An All Star Salute to Iron Maiden (2005) reuniu nomes como Dee Snider, Jeff Scott Soto, Tim "Ripper" Owens e até o próprio ex-vocalista Paul Di'Anno homenageando a banda inglesa. Lemmy ficou com "The Trooper". Não deixa de ser bizarro comparar o vocal original e agudo de Bruce Dickinson à voz grave do vocalista do Motörhead, mas ainda assim ele se saiu bem.


"Good Rockin Tonight" - The Head Cat


>

Quando tinha algum tempo sobrando, Lemmy encabeçava o Head Cat, projeto paralelo dele especializado em rockabilly e rock and roll dos anos 1950. Aqui, o baixista e cantor é visto interpretando “Good Rockin Tonight”, clássico do rhythm and blues registrado em 1947 por Roy Brown, mas que ganhou maior visibilidade quando foi regravado por Elvis Presley em 1954. Esta performance foi gravada ao vivo, em 2006, no Cat Club, em Los Angeles, e Lemmy tem a companhia de Slim Jim Phantom (Stray Cats), Danny B. Harvey (Rockats) e Jonny Bowler (Guana Batz).


"Run Rudolph Run" - Lemmy Kilmister, Dave Grohl & Billy F. Gibbons



O CD We Wish You a Metal Christmas (2008) reuniu grandes nomes do hard e do metal, como Alice Cooper, Ronnie James Dio, Tony Iommi (Black Sabbath) e outros, todos cantando e tocando canções de Natal. Lemmy escolheu esta faixa, escrita por Johnny Marks e Marvin Brodie e popularizada por Chuck Berry em 1958. Neste rock clássico, o cantor do Motörhead se coloca no lugar do garoto que quer ganhar uma guitarra elétrica do Papai Noel. Na gravação, ele é acompanhado por Dave Grohl e Billy Gibbons (ZZ Top).


"Doctor Alibi" - Lemmy e Slash



Esta canção do disco solo de Slash (homônimo, de 2010) tem Lemmy como vocalista. Neste hard rock acelerado, a guitarra do ex-Gus N’ Roses complementa com perfeição a contagiante melodia. Na letra, Lemmy praticamente fala de sua vida desregrada: “Eu fui ao médico/Ele me disse: “você está bem doente”/Você tem uns hábitos ruins/É melhor parar logo”. Mas ele retruca: “Doutor, Doutor/Eu não tenho nada/Eu não vou morrer/Só me consiga um álibi”.