Luiz Melodia: cinco pérolas a serem descobertas dentro do importante legado deixado pelo artista

Redação Publicado em 04/08/2017, às 15h52 - Atualizado às 16h35

Luiz Melodia - perolas
Daryan Dornelles/Divulgação

“Congênito”



Esta música de Maravilhas Contemporâneas se tornou cultuada ao longo dos anos. Ela tem pique de samba rock e trata da falta de comunicação entre as pessoas e as distrações existentes no cotidiano.


“Fadas”



Melodia gravou esta canção originalmente em 1978, no subestimado disco Mico de Circo. Em 2002, ele recebeu o auxílio luxuoso de Elza Soares, que cantou a música com ele no DVD Luiz Melodia Convida.


“Felino”



A faixa que deu nome ao álbum de Melodia lançado em 1983 retoma a temática de “Negro Gato”, mas de certa forma é menos dramática. Com uma sonoridade e produção bem típicas da época em que foi gravado, o samba rock representa com propriedade a produção oitentista de Melodia.


“Retrato do Artista Quando Coisa”



Faixa-título do álbum homônimo lançado em 2001, trata-se de um tributo ao poeta Manoel de Barros. Com um arranjo de cordas, a canção tem um jeito minimalista e descritivo, refletindo a obra de Barros.


“Dor de Carnaval”



Em 2014, Luiz Melodia lançou o CD Zerima, o 14º disco trabalho solo, no qual exercitou sua poesia e refinamento melódico. Uma dos presentes para os fãs do músico foi a participação especial da cantora Céu, grande admiradora de Melodia, na faixa “Dor de Carnaval”.