Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

Memórias do Submundo

Ratos de Porão comemora 25 anos de disco símbolo do punk brasileiro

Por <b>Carlos Messias</b> Publicado em 12/12/2008, às 15h13

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail

Em 1983, o movimento punk nacional - basicamente centrado em São Paulo - estava na descendente. O selo-loja Punk Rock Discos já havia lançado a coletânea Grito Suburbano, o primeiro LP de punk do Brasil (que reunia Olho Seco, Inocentes e Cólera) e o festival Começo do Fim do Mundo originou reportagens que ressaltavam o aspecto violento da onda. Em plena ditadura militar, aquilo foi o suficiente para desmembrar gangues e fazer com que carecas, correntes e jaquetas de couro sumissem de vista. Até então, nenhuma banda do gênero na América Latina havia lançado um disco próprio. Até que, em dezembro, o Ratos de Porão vencia o tabu com Crucificados pelo Sistema.

Naturalmente, quando entraram no estúdio Vice-Versa, João Gordo (vocais) e Jão (temporariamente na bateria), ambos até hoje na banda, além de Mingau (guitarra) e Jabá (baixo), não tinham essa noção de importância. "A gente tinha ficado de se encontrar às 6 da tarde. Só que dormi no ônibus e acordei na Vila Mariana. Como não tinha mais dinheiro, fui a pé e atrasei a gravação umas duas horas", relembra Jão. "Todos os instrumentos eram emprestados", completa Gordo. "A gente não tinha noção de porra nenhuma, nem nos ligamos de microfonar a bateria". As 16 faixas foram gravadas e mixadas em seis horas.

Você lê esta matéria na íntegra na edição 27, dezembro/2008