Selecionamos as melhores covers feitas pelo Arcade Fire durante a turnê Reflektor

Redação Publicado em 01/09/2014, às 19h53 - Atualizado às 19h58

Galeria - Arcade Fire - Abre
Reprodução/Montagem

O Arcade Fire tocou "I Don't Wanna Go Down to the Basement" durante um show em Denver. Posteriormente, o grupo reviveu a faixa na segunda apresentação deles no Brooklyn. Tornando o momento ainda mais especial, a banda recebeu Marky Ramone na bateria para tocar uma versão vibrante de "I Wanna Be Sedated".
A banda homenageou tanto o New York Dolls – com "Personality Crisis" – quanto o Buster Poindexter – com "Hot Hot Hot" – durante a apresentação no Brooklyn. Eles receberam David Johansen no palco para cantar a segunda faixa e, juntos, transformaram o show de rock na recepção de casamento mais legal do mundo.
Cabeças de papel machê de Barack Obama foram providenciais durante a versão animada de "Waiting Room", do Fugazi. Não há maneira melhor de “mandar um recado” do que trazer um pseudo-Obama dançante em um show na capital do país.
O Arcade Fire acertou em cheio ao tocar "California Uber Alles", do Dead Kennedys. A música, composta em 1979 pelos punks de São Francisco é sobre o Governador da Califórnia, Jerry Brown – que, atualmente, ainda comanda o estado norte-americano.
Provando mais uma vez que o repertório do grupo derruba fronteiras, o Arcade Fire reproduziu algumas harmonias em quatro vozes para homenagear o maior hit pop da Suécia: ABBA. É uma cover encantadoramente simples de "Chiquitita" (mas, convenhamos, não é nada fácil chegar a altura dos vocais do Abba).
O Arcade Fire foi bem-sucedido ao tocar uma versão truculenta de "Dust in the Wind", misturando a faixa acústica com passos de dança interpretativa. Quase acabou com um beijo romântico, mas Win Butler precisou interromper. “Pessoal, isso foi muito lindo, mas esta é uma música de Kansas e estamos na porra do Missouri. Vocês são doentes. Mas vai ser incrível quando tocarmos em Lawrence.”
Como diz o ditado: “Em Londres, toque “London”. Um lado B de "Shoplifters of the World Unite", a faixa, definitivamente, não está entre as mais conhecidas dos Smiths. Mesmo assim, você consegue ouvir fãs cantando ao fundo.
Arcade Fire estreou sua cover de "Heart of Glass" em um show na cidade natal de Butler. Em seguida, repetiu a performance em um show em Austin. Já a apresentação da faixa no Coachella contou com o apoio de ninguém menos do que Debbie Harry. A harmonia das vozes de Debbie e Régine Chassagne foi perfeita por si só, mas o Arcade Fire deu continuidade ao "momento Blondie" transitando para outro hit da banda, "Sprawl II".
"Motownphilly", do Boyz II Men, é certamente uma escolha inesperada, mas amparada por metais poderosos e harmonias perfeitas, a banda encontrou o uma ligação perfeita entre o indie rock dançante e o clássico New Jack Swing.
Em homenagem ao morador mais descolado de Minnesota, Butler liderou a banda em uma versão animada de "Controversy" vestindo uma caixa digital na cabeça que exibiu não só o rosto de Prince, mas o rosto da residente menos descolado do estado norte-americano: Michele Bachmann.
Em março, o Arcade Fire iniciou a turnê norte-americana em Louisville, Kentucky, com uma cover de "The Last Time", dos Rolling Stones.