Semeando Harmonia

Instrumentos doados ao Instituto RS agora estão nas mãos de jovens músicos

Redação Publicado em 13/06/2014, às 18h02 - Atualizado às 18h14

Ao lado de Leo Belling (de xadrez) e Laísa Pellegrini (agachada, à direita), da RS Brasil, os alunos da Praticatatum.

Ver Galeria
(4 imagens)

Instituto Rolling Stone nasceu da vontade de mostrar a crianças e adolescentes como a música – e, especialmente, o rock and roll – pode ser um dos pilares do aprendizado. Mas não só isso. Nos últimos três meses, repassamos doações de instrumentos recebidas por nós para outras ONGs que também enxergam na música uma maneira de mostrar um novo mundo aos seus alunos: um mundo em que sonhos são possíveis, em que solos são capazes de mudar a direção de uma vida, em que acordes podem reativar a alegria de enfrentar cada um dos desafios a que somos submetidos. Dividir o bom número de doações que temos conseguido amplia o alcance de pessoas que, como nós, querem oferecer a mais jovens a oportunidade de poder entrar em contato com esse universo. Mais do que como ouvintes: como instrumentistas, como disseminadores individuais de cultura.

Tivemos o prazer de visitar quatro instituições diferentes em São Paulo – Casa do Zezinho, Gotas de Flor com Amor, Associação Comunitária Monte Azul e Praticatatum –, doando violões, violas, guitarras e contrabaixos cedidos pelas marcas Groovin’

e Eagle diretamente aos alunos. Além dos instrumentos, pudemos distribuir jogos de cordas para violão e guitarra, graças ao apoio da Novitá Music. Encontramos orquestras, bandas, solistas e dedicados coordenadores e maestros trabalhando com amor e vontade em um objetivo comum – disseminar a ideia de que a música pode ser um fator determinante na felicidade do ser humano. O afinco colocado nos trabalhos desses grupos, tanto por parte dos alunos quanto daqueles que estavam ali para ensinar, nos motiva ainda mais a impulsionar o Instituto Rolling Stone adiante. Esperamos que cada instrumento doado seja como uma semente nas mãos dos jovens que os receberam. Que neles cresça a paixão pela música – e a certeza de que, também por meio da harmonia dos sons, é possível encontrar a harmonia individual e coletiva que tantas vezes falta ao nosso dia a dia.