Versão brasileira – relembre algumas adaptações icônicas de programas e formatos da TV norte-americana

Redação Publicado em 07/03/2012, às 09h02 - Atualizado às 09h41

Rafinha Bastos - Top 10
Divulgação

Dança dos Famosos - Luciano Huck e Fausto Silva transformaram realities em uma mina de ouro de quadros para seus respectivos programas. O mais bem-sucedido deles talvez seja a Dança dos Famosos, do Domingão do Faustão, inspirado no Dancing With the Stars. Veja o desafio do samba.
Programa do Jô - De todos os muitos talk-shows que importamos, um dos mais conhecidos e duradouro é o de Jô Soares, que hoje se chama Programa do Jô e se passa na Globo. Entrevistas de um ou dois blocos com celebridades da música, TV e cinema, piadas, monólogos divertidos no começo e uma “banda da casa”. Essa é a base do programa de Jô e de tantos apresentadores do fim de noite da TV norte-americana. O formato foi popularizado, embora não tenha sido inventado, com o The Tonight Show Starring Johnny Carson. Veja um trecho ao lado.
Donas de Casa Desesperadas – O mais comum nas séries produzidas nacionalmente sempre foi deixar rolar solta a "chupinhação" de piadas clássicas de séries como Friends, Seinfeld e outras sitcoms de muito sucesso. Isso até que a RedeTV! (sempre ela), em uma atitude tão ousada quanto desastrosa, resolveu trazer a série Desperate Housewives para o Brasil. Isso quando ela já tinha deixado de ser hit lá fora e tudo mais. O detalhe mais esquisito era que o elenco de apoio era todo argentino (já que as gravações aconteciam no país vizinho) e falavam português dublado. Contrariando o resto da lista, veja um trecho não do original, mas sim da inexplicável adaptação brasileira.
Operação de Risco - Os realities policiais também são bons de manter pessoas na ponta da cadeira, seja aqui ou nos Estados Unidos. O mais clássico desses por lá é o Cops. Por aqui, a RedeTV! se aventurou com uma adaptação recentemente de um dos genéricos do estilo. Police POV se tornou Operação de Risco, com a proposta de mostrar o trabalho das nossas polícias militar, civil e técnica. Assista à algumas cenas com a famosa música da abertura de Cops.
Ídolos - Os programas de caçar talentos nunca chegaram a sair de moda, mas voltaram especialmente à ativa com o American Idol. No Brasil, tanto ele como outras atrações do gênero ganharam versões. Relembre um dos testes mais famosos do programa original.
Vila Sésamo/Sesame Street - A atração era um mix do norte-americano com um programa produzido nacionalmente. Começou a ser exibido no Brasil em 1972, mas somente a partir do ano seguinte que surgiram as versões brasileiras dos bonecos Garibaldo, Gugu e Funga-Funga. As únicas cenas não produzidas no Brasil eram as de Beto (Bert) e Ênio (Ernie), personagens do Sesame Street.
Mulheres Ricas - A série de TV Desperate Housewives inspirou a franquia de realities Real Housewives, nos Estados Unidos, que, por sua vez, foi trazida ao Brasil com a embalagem Mulheres Ricas. A nossa versão prima mais ainda do que o normal pela escassez de cenas de fato reais para constituir o que deveria ser um reality show. Não que o original fosse exatamente uma obra-prima, como dá para ver ao lado.
Família MTV - A MTV passou a investir pesado em realities há uns anos e aproveitou algumas fórmulas que deram bem certo. The Osbournes foi um hit absoluto (tinha como não ser? Ozzy e a briga dele com o controle foi um clássico instantâneo!), o que resultou na criação do Família MTV. O programa mostrou cenas da família de Supla, e todos seus integrantes famosos, do VJ Edgard Piccoli e seus quatro filhos, entre outras.
Saturday Night Live - Uma importação razoavelmente recente foi o Saturday Night Live, que chegou pela Rede TV! e não deu lá muito certo.
Passa ou Repassa - Esse é das antigas. Representado a ampla categoria dos game shows, o clássico do SBT Passa ou Repassa, inspirado no Double Dare, exibido pela Nickelodeon na década de 80 (nos anos 70, curiosamente, a CBS também exigia um game show com este nome). A proposta era uma competição de duas equipes que envolvia raciocínio e provas físicas calcadas na bagunça e na sujeira. A prova mais famosa acabou sendo para sempre a da torta na cara.
No Limite – Quando a Globo colocou esse programa no ar, os realities ainda engatinhavam no Brasil. Baseado na bem-sucedida franquia Survivor (veja um trecho da edição Tocantins), No Limite é considerado o primeiro reality show produzido no Brasil. Estreou no canal em 23 de junho de 2000 e era exibido no cobiçado horário pós-Fantástico, com apresentação de Zeca Camargo. Foram três temporadas de aventuras e provas na selva, durante as quais todo tipo de coisa nojenta foi comida pelos participantes. Em julho de 2009, o programa voltou ao ar. Curiosamente, o programa teria saído do ar por causa de problemas legais. A Globo adaptou o formato de Survivor sem fazer o licenciamento. Antes que perdesse um processo na justiça, legalizou a situação do programa e promoveu a reestreia dele anos depois. Tudo para logo gerar polêmica com supostos maus tratos de animais e ele ser cancelado novamente.