Banda sueca lança disco que só pode ser ouvido em florestas

Grupo John Moose criou aplicativo que libera o álbum apenas quando um GPS indica área de bosque

Rolling Stone EUA Publicado em 30/05/2015, às 12h04

Banda sueca John Moose
Reprodução

A banda sueca de folk John Moose está elevando o conceito de lançamentos bizarros de discos a um novo patamar: as florestas. A banda fez o pré-lançamento do álbum de estreia por meio de um aplicativo de celular que só funciona se o GPS determinar que o ouvinte está em um bosque.

Galeria: dez maneiras inusitadas de se lançar um disco

Ainda que o registro tenha sido lançado em 24 de abril, o aplicativo – que foi criado pelo baterista da banda, Tobias Norén – continua a funcionar, e está disponível para iOS e Android. Em entrevista à Rolling Stone EUA, a banda explicou que “o aplicativo usa o Google Maps em áreas onde as florestas tem, especificamente, cor verde.”

“As coordenadas do GPS são enviados do celular para um serviço da internet que analisa o mapa pelo Google Maps Static API e usa um algoritmo específico para determinar se o usuário está ‘suficientemente’ dentro do mato.”

Galeria: as 10 melhores capas de discos de todos os tempos.

O álbum é centrado na história de um homem – o álter ego da banda, John Moose – que está à margem da sociedade e constrói uma vida no meio do mato. Escapismo e relações humanas com natureza e civilização são o carro-chefe, mas a história do personagem não se desenrola como o livro A Vida nos Bosques, de Thoreau.

“Durante a jornada dele algo cresce, uma ansiedade da maior intensidade que ele já sentiu anteriormente”, explica o grupo. “Ele fica obsessivo e insensato. Ele viola a natureza e acredita que possui tudo que cruza seu caminho. Ele desiste e é nutrido pela terra que ele torturou. Ela veda o corpo e despedaça os sonhos dele.”

Sobe o Som: 10 novos artistas nacionais que você deve conhecer.

Enquanto lançamentos de discos ambiciosos – como o aplicativo do John Moose – se tornaram parte do ciclo contemporâneo dos álbuns, a banda sueca parece menos interessada em criar um viral do que promover uma experiência única de audição amarrada diretamente a questões e ideias ligadas à musica deles.