Dickinson anticorporativo

Redação Publicado em 02/08/2010, às 18h19

Diversos shows têm sido anunciados no Brasil para o segundo semestre de 2010. Integrando festivais ou não, um assunto passa a ser inevitável: os valores dos ingressos.

É preciso ter cash no bolso para se gostar de música por aqui. Mas será que na gringa a situação é diferente? Para Bruce Dickinson, não. O frontman do Iron Maiden defendeu, em entrevista ao Sky News, que os preços deveriam ser "razoáveis", dizendo que os organizadores dos eventos são os grandes culpados por tornar um show simples em um esquema de se fazer dinheiro.

"É um compromisso grande ir ver uma banda", falou. "Eles merecem não só o melhor show, mas também valores de ingressos razoáveis. Não é certo - é um show de rock 'n' roll e não uma galinha dos ovos de ouro." O Iron Maiden, que já veio diversas vezes ao país, lança seu novo álbum, The Final Frontier, no dia 16 de agosto.

O motivo da discussão, com base na matéria do Sky News, seria o fato de que grandes nomes como Bon Jovi e Paul McCartney foram forçados a reduzir os valores dos ingressos de suas apresentações no exterior, para que as vendas aumentassem - vale lembrar que o hemisfério norte está atualmente em sua temporada de verão, com diversos shows marcados. A venda de entradas teve queda de 17%.

"Atualmente, o grande foco é a venda de ingressos porque discos quase não vendem mais", afirmou a jornalista musical Liz Barnes. "Você vê as bandas na estrada muito mais frequentemente e por períodos mais longos porque é a partir disto que eles ganham dinheiro."