Em livro, Willie Nelson afirma que fumou maconha na Casa Branca

Autobiografia do músico chegou às livrarias dos EUA recentemente

Redação Publicado em 06/05/2015, às 17h28 - Atualizado às 18h14

Willie Nelson no SXSW 2015.
AP/Rich Fury

Em trecho de It’s a Long Story, autobiografia publicada que acaba de chegar às prateleiras norte-americanas, Willie Nelson revelou ter fumado maconha na Casa Branca em 1977. O episódio aconteceu dois dias depois de o músico ter sido preso nas Bahamas por porte da drogas. Atendendo ao convite do então presidente Jimmy Carter, Nelson foi a Washington D.C. para que o governante o agradecesse pelo apoio na campanha do ano anterior.

Rolling Stone elegeu os 100 maiores guitarristas de todos os tempos: veja a lista.

Após o jantar, Nelson foi convidado por "um íntimo da Casa Branca" a subir ao telhado para ver a capital dos EUA. A pessoa – não identificada -, então, sacou do bolso um baseado.

No livro, o artista relata a experiência: “Fumar um 'baseado' no telhado da Casa Branca me fez pensar. Algumas questões de ordem filosófica vêm à mente, do tipo: 'Porra, como eu vim parar aqui?’”.

Willie Nelson explica por quais motivos você deveria comprar a maconha que ele produz.

Usuário assumido da droga, o músico firmou preferir “mil vezes” a maconha ao álcool. “Ela nunca me traiu! Ao contrário do álcool, a maconha jamais me fez mal ou me deixou violento”, finalizou a lenda do folk. It’s a Long Story ainda não foi lançado no Brasil.

Grande ativista do antiproibicionismo, Nelson anunciou recentemente o lançamento da Willie’s Reserve, uma marca de maconha cultivada pelo cantor que será comercializada nos estados norte-americanos nos quais o uso recreativo da droga é legalizado.