Paulinho da Viola: três canções para alegrar a alma e celebrar um mestre

Redação Publicado em 28/03/2012, às 21h20 - Atualizado às 21h47

Paulinho da Viola
Divulgação

Por Cláudia Boëchat

Paulinho da Viola faz 70 anos em novembro. Lindo, elegante e delicado como sempre. Ele é um daqueles caras que parecem viver em outra dimensão. Vi um show dele dia desses aqui em São Paulo e sua calma, em gestos e palavras, era algo inusitado para a gente que vive em uma metrópole, no meio do estresse e da falta de tempo. Temos a impressão de que Paulinho não tem pressa. Para ele, o tempo não existe. Inclusive fisicamente, porque ele está com aquela carinha de sempre. O cabelo pode ter branqueado um pouquinho, mas só. Não é à toa que ele canta “meu tempo é hoje, não existe amanhã pra mim...”

Ele fala baixinho, se mexe devagar e espalha poesia. Adoro Paulinho! Gosto de absolutamente tudo o que ele compôs. Soube que está preparando um disco de inéditas, mas, enquanto esperamos, selecionei três músicas que acho absolutamente especiais no seu repertório. Só três por hoje; mas, com certeza, vou voltar a falar de Paulinho da Viola inúmeras vezes aqui. Esta foi uma escolha muito difícil, porque ele tem tanta coisa bonita que a vontade é de ouvir tudo!

“Coisas do Mundo Minha Nêga”:

“Vela no Breu”:

“Para Ver as Meninas”, com Marisa Monte:

Para falar com Cláudia Boëchat, escreva para cboechat@uol.com.br