Quatro novas canções de Bethânia: raiva (muita raiva), tristeza e amor

Redação Publicado em 09/04/2012, às 20h53 - Atualizado às 21h06

Maria Bethânia: polêmica com blog de R$ 1,3 milhão aprovado pela Lei Rouanet
Divulgação

Por Cláudia Boëchat

No seu 50º CD, Bethânia se revela uma verdadeira “fera ferida”, brava mesmo. Ouça a canção “Carta de Amor”, onde o texto é dela (há uma sutil participação de Paulo Cesar Pinheiro na composição). Bethânia invoca um sem número de “entidades espirituais” na sua proteção e destila uma espécie de “praga”. Eu adorei.

“Faço cobra morder o rabo, escorpião virar pirilampo”, diz ela. “Você está tão mirrado que nem o diabo te ambiciona. Não tem alma. Você é o oco, do oco, do oco, do sem fim do mundo”, espezinha. “Eu posso engolir você, só pra cuspir depois”, vomita. Vai... mexe com ela pra ver...

Em “Calmaria” (Jota Velloso), a “fera” mostra sua “ferida” usando o poema “Não Sei Quantas Almas Tenho”, de Fernando Pessoa. Às vezes, seu mundo desaba:

E pra não dizer que Bethânia não falou de amor, duas canções lindas:

“Vive” (Djavan), feita para ela:

“Casablanca” (Roque Ferreira):

Para falar com Cláudia Boëchat, escreva para claudia.boechat@rollingstone.com.br