O ataque das flanelas

Redação Publicado em 10/10/2009, às 14h10

O pedaço de pano que você veste pode te denunciar com aquela precisão que só mesmo mãe consegue, especialmente na hora de entregar os detalhes mais sórdidos para a nova namorada do filho. Dá para sacar de cara que a semana foi boa se sua mania, por exemplo, era (e, em alguns casos, continua sendo) flanelas e este estranho bichinho, arte de Daniel Johnston estampada por Kurt Cobain na clássica camiseta (para a geração 00: de popularidade equivalente a uma retwittada em massa).

A semente do grunge brotou em Seattle, mas espalhou raízes mundo afora. Nos últimos dias, voltou a dar frutos. Contexto: no início da semana, o Pearl Jam deveria apresentar em Los Angeles a turnê do novo disco, Backspacer. Deveria. Isso porque a noite foi muito mais do que isso: uma espécie de Natal antecipado para os seguidores do movimento, bem menos encorpado hoje do que em seu auge, na primeira metade dos anos 90.

Eddie Vedder, frontman do PJ, e Chris Cornell, à frente do foi-eterno-enquanto-durou Soundgarden, se reuniram para reviver o Temple of the Dog, projeto que montaram, com integrantes das duas bandas, para homenagear Andrew Wood, líder da Mother Love Bone, um dos nomes embrionários do grunge.

Uma overdose de heroína ceifou a vida de Wood, no mesmo 1990. Quatro anos depois, com a morte de Cobain (que, por sinal, adorava pegar no pé dos "vendidos" do Pearl Jam), a era de ouro do grunge também bateria as botas, preferencialmente enlameadas e com aspecto mais "nunca lavei" possível.

Até que, no último dia 6 de outubro, a alquimia aconteceu: Vedder e Cornell se reuniram com Stone Gossard, Jeff Ament, Mike McCready e Matt Cameron (ex-SG e atual PJ) para tocar "Hunger Strike", maior sucesso do Temple of the Dog, que ladrou e mordeu até ser posto de lado, em 1992, com um disco lançado pela A&M Records no ano anterior.

Nos bastidores, outro golpe baixo para fãs do grunge com histórico de taquicardia. Segundo a Rolling Stone EUA, Cornell e Cameron foram vistos às voltas com Kim Thayil e Ben Shephard, os outros membros do pródigo Soundgarden. Momento Kodak que, por sinal, não acontecia há 12 anos. Lembra daquele papo sobre uma possível reunião do conjunto? Se a esperança é a última que morre, dá até para dizer que ela saiu do coma naquela mesma noite.

Empenhando-se em criar História (algo entre "verbete no Wikipedia" e "legado cultural da humanidade"), Vedder convocou, para o mesmo concerto, Jerry Cantrell, guitarrista do Alice in Chains, outro oráculo do grunge.

Tudo isso na mesma semana em que veio à tona prévia do Nirvana tocando "School" no DVD Live at Reading...

Vai ter muita camisa de flanela tirando férias do fundo do baú.