Pulse

Willie Nelson explica por quais motivos você deveria comprar a maconha que ele produz

"É uma questão de tempo até que a droga seja legalizada em todo os EUA"

Rolling Stone EUA Publicado em 21/04/2015, às 11h51 - Atualizado às 12h18

Willie Nelson
Chris Pizzelo/AP

Fumar a maconha cultivada por Willie Nelson é um dos objetivos de vida da maioria dos usuários ao redor do globo. Até pouco tempo, um privilégio de poucos amigos do músico, como Snoop Dogg e Merle Haggard. Mas, felizmente, essa realidade está no passado. Recentemente, Nelson anunciou o lançamento da Willie's Reserve, selo que fornecerá o tão desejado produto do cantor para quem quiser comprar. A maconha será cultivada e vendida em estados como Colorado e Washington, D.C., além de outras federações que legalizem o uso recreativo da droga.

Neil Young gravará disco em parceria com os filhos de Willie Nelson.

Em entrevista recente à Rolling Stone, Nelson explicou um pouco mais sobre a proposta. “Vou me certificar de que será de boa qualidade ou não será vendida”, afirmou a lenda folk. “A ideia é que exista um cardápio, como o de um restaurante, pois há muitos tipos diferentes de maconha, com efeitos completamente distintos. O ideal seria indicar no rótulo quais são os efeitos de cada tipo, além da intensidade da droga”.

Rolling Stone elegeu os 100 maiores guitarristas de todos os tempos: veja a lista.

Otimista, Nelson afirma que a onda antiproibicionista não deve ganhar força. “É só uma questão de tempo até que a maconha seja legal em todo o país. Espero estar ajudando”, afirma. Em tom de brincadeira, o cantor se explica, “eu já comprei muito, acho que é hora de vender um pouco”.

Maconha faz mal mesmo? Especialistas comentam as afirmações mais frequentes sobre o tema.

Preso em 2010 por criar o “The Teapot Party”, evento que reuniu um grande número de usuários, Nelson afirma que o poder público já aceitou a realidade da legalização. “A maioria deles me pede autógrafos agora”, afirma. “Os policiais sabem que de nada adiante me prender por posse de maconha. Vou pagar a fiança, ir para casa e fumar um baseado. Talvez fume no caminho de casa, inclusive”, brinca Nelson.

O Brasil pode enfim estar pronto para discutir a legalização da maconha, mas parece improvável que mudará de ideia tão cedo.

Ante os excelentes resultados do processo de regulamentação e taxação da droga, Nelson não esconde o otimismo com a própria marca. “Vou trabalhar com os melhores cultivadores do Colorado e de Washington, garantindo que o produto oferecido seja da melhor qualidade possível”.