Se conseguir clonar John Lennon, dentista promete afastá-lo das drogas e cigarros

Michael Zuk comprou o molar do ex-beatle e quer "recriá-lo" e tratá-lo como filho

Redação Publicado em 10/04/2014, às 11h41 - Atualizado às 12h13

John Lennon
AP

Essa insanidade parece não ter fim, não é mesmo? O dentista Michael Zuk, que saiu dizendo para quem quisesse ouvir (e até para quem não quisesse) as intenções de clonar John Lennon, deu uma nova entrevista, segundo o site britânico NME, explicando como ele criaria essa nova versão do beatle.

Ao falar com o programa Dead Famous DNA, do Channel 4, o canadense conta que trataria o improvável clone como um filho e faria de tudo para que a cópia não tivesse o mesmo destino que o original, morto por um fã em 8 de dezembro de 1980.

“Ele ainda seria uma duplicata exata, mas, você sabe, espero deixá-lo afastado de drogas, cigarros e coisas assim”, teria dito Zuk. “E aulas para que ele aprendesse a tocar violão não fariam mal algum, certo?”

Galeria: dez grandes parcerias do rock and roll, como John Lennon e Paul McCartney.

Ele ainda sugere que não criaria apenas um clone de Lennon, já que “se funcionar uma vez, pode funcionar outra, não é?”

O sujeito comprou um molar do músico há três anos, em um leilão, pagando mais de US$ 30 mil, e revelou que gostaria de cloná-lo em agosto de 2013, mesmo que o dente estivesse frágil demais para se conseguir retirar o DNA.

Galeria: dez coisas que você não sabia sobre a música dos Beatles.

“Com pesquisadores trabalhando em formas de clonar mamutes, a mesma tecnologia certamente poderia tornar realidade o clone de humanos”, disse ele em um comunicado (certamente duvidoso, em termos científicos), na época. “Ficaria estupefato de poder dizer, potencialmente, que contribuí um pouco em trazer de volta um dos maiores astros do rock”.

Por que o sonho acabou: os bastidores da saga dos Beatles – e as forças que esfacelaram a maior banda de todos os tempos.

A história do dente vem desde meados da década de 60, quando Lennon deu um dos molares que extraiu para que sua governanta jogasse fora (a princípio)– e esse foi o começo de uma jornada a cada dia mais peculiar. Ele primeiro sugeriu a ela que desse o dente para sua filha dela, que era muito fã dos Beatles. O artefato ficou com a família até novembro de 2011, quando foi vendido em um leilão.

50 anos do disco Please Please Me, dos Beatles: faixa-a-faixa.

Em agosto do ano passado, Zuk permitiu que sua irmã usasse um fragmento do dente em uma obra de arte (uma escultura de barro feita à imagem de Lennon). O dente também fez uma turnê pelo Reino Unido para ajudar a conscientizar as pessoas a respeito dos perigos do câncer de boca.