Exclusivo: imersão de Janaina Fellini e Letieres Leite em Casa Aberta é retratada em documentário

Músicos conviveram durante seis dias em uma chácara no interior do Paraná para gerar o segundo disco da cantora

Redação Publicado em 03/10/2015, às 12h03

Janaina Fellini

Ver Galeria
(2 imagens)

Obras-primas da música foram criadas a partir do enclausuramento de um grupo de artistas. Vide The Basement Tapes, de Bob Dylan e The Band, ou Exile on Main St., dos Rolling Stones. Casa Aberta pode não ter a pretensão de se igualar a esses clássicos, mas já tem um mérito: trata-se do disco que devolveu à música brasileira a cantora Janaina Fellini.

Sobe o Som: 10 novos artistas nacionais que você deve conhecer.

Após o hiato de seu primeiro álbum, a paranaense de 30 anos já havia partido a Aracaju para tentar a vida como balconista. De repente, foi informada de que seu projeto fora selecionado pelo Itaú Cultural entre mais de 15 mil propostas.

Exclusivo: SpokFrevo se reforça com sanfona em novo disco; ouça “De Cazadeiro ao Recife”.

“Eu ri e agradeci demais!”, conta ela sobre o dia em que recebeu a notícia. “Me senti viva, pulsando de alegria. Eu tinha ganhado um presente que mudaria a minha vida. Naquele momento, soube que a música seria parte do meu cotidiano de novo, como eu sempre soube. Foi como se balançar nos braços da vida, sabe? Uma sensação de dançar à toa".

15 discos nacionais lançados no primeiro semestre que você deve ouvir.

Durante seis dias, Janaina e um grupo de artistas conviveram em uma chácara em Campína Grande do Sul, interior do Paraná, liderados pelo maestro Letieres Leite (da Orkestra Rumpilezz e de trabalhos com Nana Vasconcelos, Gilberto Gil e Elba Ramalho) e pelo produtor Beto Villares (que assina discos de Céu e Siba). Foram gravadas dez faixas entre composições inéditas e músicas de Gil, Itamar Assumpção e Lirinha. A experiência foi resumida em um minidocumentário publicado aqui com exclusividade pelo blog Sobe o Som.

Assista:

“Aconteceram coisas muito bonitas, por exemplo, a interação dos sons da natureza com as música que a gente tocou. Quando a gente escutava cigarras e grilos e vento nas árvores...Tem toda uma questão muito poética do disco que, tanto propositalmente quanto por acaso, vai estar no álbum”, explica no vídeo o músico Sérgio Monteiro Freire.

Após se aperfeiçoar aprendendo com o gospel, Mahmundi quer trabalhar em prol da música.

Disponível na íntegra pelo pelo Youtubee pelo Soundclound, o trabalho será lançado em show no Itaú Cultural, São Paulo, no dia 8 de outubro. Os ingressos grátis devem ser retirados com 30 minutos de antecedência na bilheteria do espaço.