Exclusivo: “mais indie”, Sarina lança EP e antecipa músicas do próximo disco

Banda nordestina espera lançar em 2016 o segundo álbum da recente carreira

Lucas Borges Publicado em 16/09/2015, às 15h21 - Atualizado às 17h11

Thiago Pádua, Victor Hugo e Ícaro Reis, do Sarina
Marcelinho Hora

Por Lucas Borges

Muita coisa aconteceu para o Sarina com pouco mais de um ano de vida. O guitarrista e vocalista Tai Britto deixou a formação no início do ano – foi para o Qualquer Bordô –, transformando o quarteto em trio. Recém-ingressados em São Paulo, onde se conheceram e rapidamente criaram a banda, os irmãos sergipanos Ícaro Reis (guitarra, baixo e voz) e Victor Hugo (bateria e voz) e o soteropolitano Thiago Pádua (guitarra, baixo e voz) ainda digerem a mudança.

Sobe o Som: 10 novos artistas nacionais que você deve conhecer.

O primeiro disco deles, autointitulado, saiu recentemente, em agosto de 2014. Diante das profundas mudanças que tocaram o grupo, porém, o Sarina sentiu-se na obrigação de apresentar sua nova cara ao público. Segundo Thiago Pádua, uma cara “mais indie”.

Conheça os sete artistas brasileiros que gravarão em icônicos estúdios do mundo pelo Converse Rubber Tracks.

Assim, os nordestinos gravaram um EP pela plataforma Converse Rubber Tracks, antecipando “O Herdeiro e a Praga” e “O Trem”, faixas do seu próximo disco. O material, divulgado em primeira mão no blog Sobe o Som, virá acompanhado de um mini documentário e estará disponível para download e audição no site oficial da banda e em plataformas de streaming.

Ouça “O Trem”:

“Acredito que estamos bem mais maduros como grupo nesses singles e conseguimos expor de uma forma mais clara e homogênea o que queríamos. Deixamos aflorar o nosso regionalismo, coisa que não sabíamos lidar muito bem no primeiro disco. Por outro lado acho que também seguimos pra uma coisa mais indie que possivelmente seja fruto dessa mudança para São Paulo. Esse disco talvez seja uma síntese da saudade e da mudança”, conta Thiago.

Ouça o Herdeiro e a Praga:

Os riffs de guitarra dele e o baixo marcante de Ícaro dão o tom das duas músicas “'O Trem’ mostra uma banda apontando paras os caminhos incertos da vida, enquanto 'Herdeiro e a Praga' fala sobre as armadilhas da crença e em como existe gente disposta a se aproveitar das necessidade e da carência das pessoas em benefício próprio”, explica Thiago.

O segundo álbum do Sarina está gravado e já tem nome, Efemeridades de Uma Vida Costumeira, mas só será lançado no primeiro semestre do ano que vem. Enquanto isso, eles saem turnê de encerramento do disco de estreia e podem aparecer no festival MADA, em Natal, entre 30 e 31 de outubro. A banda concorre com “Remendando” em uma seletiva aberta ao público que escolherá duas atrações para se apresentar no evento potiguar.