Pulse

Espelho Retrovisor: tributo ao Engenheiros do Hawaii tem versão cheia de candura d’A Banda Mais Bonita da Cidade para “Pose”

Projeto trará versões ainda de “3 Minutos”, “A Promessa”, “O Papa é Pop”, “Infinita Highway”, “Somos Quem Podemos Ser”, “Terra de Gigantes”, entre outros

Pedro Antunes Publicado em 25/09/2014, às 14h12 - Atualizado às 17h43

A Banda Mais Bonita da Cidade
Breno Galtier/Divulgação

Por Pedro Antunes

Quem não comprou uma revistinha com cifras na banca de jornal mais próxima e arranhou acordes de Humberto Gessinger e seu Engenheiros do Hawaii ao violão? Espelho Retrovisor, tributo à banda promovido pelo site Scream & Yell, do jornalista Marcelo Costa, eleva a brincadeira a níveis mais sérios e traz hits do grupo gaúcho interpretados por uma elogiável gama de artistas nacionais.

O Sobe o Som, blog dedicado à música alternativa da Rolling Stone Brasil, lança com exclusividade mais uma faixa do tributo a Gessinger e companhia, cuja produção executiva e curadoria é assinada pelo produtor cultural Anderson Fonseca. “Pose” ganha doses cavalares de candura neste novo arranjo criado pela A Banda Mais Bonita da Cidade.

“Essa foi a primeira vez que entramos em estúdio de gravação com o Thiago [Ramalho] e o Marano, guitarrista e baixista, respectivamente”, contou Vinícius Nisi, que completa o quinteto d’A Banda ao lado de Uyara Torrente e Luis Bourscheidt. “Foi uma experiência nova e interessante para todos. Estamos num momento de repensar arranjos e sonoridade e o arranjo que fizemos reflete isso. Enquanto fazia o arranjo, só conseguia pensar naquilo como trilha sonora da série Anos Incríveis, saca?”

O músico conta que eles tomaram como base uma “gravação que os Engenheiros fizeram dessa música com menos letra”. “E colocamos uma pequena citação a ‘Rosa de Hiroshima’ num momento... Achei isso ‘engenheirístico’ e deixaria o Humberto orgulhoso”, brincou Nisi, fã confesso de Gessinger. “Gosto muito também da poesia que o Humberto constrói. O álbum deles que me marcou muito foi o Filmes de Guerra Canções de Amor, um disco que, para mim, não envelhece e, de tempos em tempos, ouço do começo ao fim.”

Ouça a versão d’a Banda Mais Bonita da Cidade para “Pose”:

Espelho Retrovisor é o segundo tributo do Scream & Yell lançado em 2014 – o primeiro homenageou Belchior e pode ser ouvido aqui. O disco completo será lançado no dia 11 de novembro (aqui), dois meses antes do aniversário de 30 anos do Engenheiros do Hawaii, comemorado no dia 11 de janeiro de 2015.

Fonseca conhece Gessinger desde 1999 e convive com o músico desde então. “Foi uma escolha 100% emocional e natural”, diz ele, sobre os motivos que o levaram a produzir o tributo à banda. “Fiz pensando na banda e nos amigos que fiz através dela”, conta.

O critério de escolha de artistas e músicas foi diverso, conta ele. Fernando Anitelli, do Teatro Mágico, é fã de Gessinger e faz uma versão para “Dom Quixote”. “Em outros casos, foi a curiosidade por ouvir combinações aparentemente improváveis que motivou o convite”, explicou Fonseca, citando a interpretação instrumental do Strobo para “Infinita Highway”. “Citaria também a possibilidade de ouvir artistas de gerações e estéticas completamente distintas revendo uma mesma obra e acrescentando algo deles mesmos ali”, analisa. “O caldeirão que se formou reúne artistas como Bebeto Alves, Lula Queiroga e Nevilton, entre outros.

Ouça a versão do Forfun para “O Papa e? Pop”:

Vera Loca interpreta “Parabólica”:

Veja a lista completa de artistas do tributo Espelho Retrovisor:

- “3 Minutos” (Dolores 602)

- “A Promessa” (Nevilton)

- “Alívio Imediato” (Dias Buenos)

- “Ando Só” (Mário Wamser)

- “Concreto & Asfalto” (Esteban)

- “Dom Quixote” (Fernando Anitelli)

- “Eu Que Não Amo Você” (Lula Queiroga)

- “O Papa é Pop” (Forfun)

- “Ilex paraguariensis” (Bebeto Alves)

- “Infinita Highway” (Strobo)

- “Números” (Dario Julio & Os Franciscanos)

- “Outras Frequências” (Borba)

- “Parabólica” (Vera Loca)

- “Pose” (A Banda Mais Bonita da Cidade)

- “Pra Ser Sincero” (Tsubasa Imamura)

- “Refrão de Bolero” (Monocine)

- “Somos Quem Podemos Ser” (Dingo Bells)

- “Terra de Gigantes” (Phillip Long)

- “Toda Forma de Poder” (Anacrônica)