Ouça o balançado e reflexivo novo disco da cantora Anne Jezini

Produzido por Lucas Santtana, trabalho une preocupações contemporâneas com batidas e timbres eletrônicos

Lucas Brêda Publicado em 19/07/2016, às 18h31 - Atualizado às 19h14

A cantora manauara Anne Jezini
Divulgação

Por Lucas Brêda

A cantora Anne Jezini uniu letras reflexivas, ritmos balançados e timbres eletrônicos no novo disco dela, chamado Cinética (2016). O álbum ganha vida a partir desta terça-feira, 19, no Sobe o Som – espaço da Rolling Stone Brasil dedicado à produção alternativa da música nacional –, com as nove faixas disponíveis para audição abaixo.

Anne canta em português, espanhol e inglês no disco, que reúne também uma paleta colorida de timbres e instrumentos, coordenados pela referência Lucas Santtana. Além do músico baiano – responsável pela produção de Cinética –, a cantora manauara contou com o auxílio de Gui Calzavara (bateria), Fábio Pinczowski (multi-instrumentista), e Thiago França (sopros). Marcelinho da Lua também contribuiu com a faixa “Vale”.

Calcado nos beats e na voz de Anne, Cinética é ao mesmo tempo contagiante e tenso, com a artista buscando uma paz utópica. Na faixa “Uma Pausa”, ela pede “uma pausa, uma trégua, um momento de abstração” em um mundo de informação em excesso. Em “Modo de Voo”, ela “não quer teclar”, “nem atender” e pede socorro: “alguém pode desligar esse mundo um instante?”.

“Começamos a maioria das músicas com os beats. Escolhendo os mais atrativos, partimos em busca das melodias. Dos improvisos, vieram as sonoridades que permeiam o disco”, conta ela sobre o processo de Cinética, gravado no estúdio 12 Dólares. “A vontade de me hipnotizar pelas batidas e sintetizadores, assim como a influência de synthpop, o novo R&B e o guetotech, me fizeram trabalhar nesse sentido.”

Abaixo, ouça a íntegra de Cinética.