Pélico prepara novo disco e mostra trecho: “É o mais brasileiro da carreira”

Álbum terá participação de Rodrigo Campos, homenagem a Tom Zé e música que estreou no Estúdio RS

Pedro Antunes Publicado em 16/11/2014, às 13h08

Pélico no estúdio para gravar o terceiro disco

Ver Galeria
(2 imagens)

Por Pedro Antunes

Pélico se prepara para lançar o disco traduzido por ele mesmo como “o mais brasileiro da minha carreira”. O músico paulistano está trabalhando no terceiro álbum oficial – existe um primeiro, anterior a O Último Dia de Um Homem Sem Juízo (2008), que acabou ganhando a fama de lendário e “renegado”. O trabalho segue sem nome, mas o artista já adiantou algumas novidades ao Sobe o Som, espaço dedicado à música alternativa no site da Rolling Stone Brasil.

Pélico participou do Estúdio RS. Além da entrevista em vídeo, ele tocou duas músicas em formato acústico.

O primeiro teaser do álbum foi publicado na última semana, diretamente no YouTube do músico. A faixa em questão é “Você Pensa que Me Engana”, cujo vídeo indica soar quase como um misto de bolero e sambinha, dedilhado na sacada de um apartamento. A faixa, no álbum, terá a participação de Rodrigo Campos, mestre do cavaquinho e autor de belas crônicas musicais da vida paulistana.

“Você Pensa que Me Engana” (terá participação de Rodrigo Campos)

“Repousar”, outra inédita, foi exibida com exclusividade quando Pélico participou do programa Estúdio RS, na redação da Rolling Stone. “Vou repousar meu coração, em algum lugar mais firme, longe dos temporais”, canta Pélico, acompanhado no vídeo pelo guitarrista e baixista Régis Damasceno. Na época da gravação, ele explicou a faixa assim: “É sobre uma vontade minha de encontrar alguns lugares mais tranquilos.

"É impressionante que, depois que eu fiz essa música, nada mudou! Você acha que vai fazer a música para se livrar daquilo e nada acontece.”

Estúdio RS #33 Pélico - "Repousar"

Por fim, o álbum trará também uma faixa composta para Tom Zé, com o significativo tom de homenagem com o título “Meu Amigo Zé”. A canção foi mostrada ao baiano de Irará na época das gravações do penúltimo disco dele, Tropicália Lixo Lógico, que contou com a participação de Pélico. “No dia da gravação, queria levar um presente para ele, mas não sabia o que levar”, conta o músico. “Acabei fazendo uma música e mostrei a ele ao violão. Ele abriu um sorrisão quando ouviu. O presente foi para ele, mas acabei ganhando de volta os comentários dele e o presenteado fui eu.”

Tulipa Ruiz, Karina Buhr, Pélico, entre outros, fazem “show da virada indie” na TV Cultura.

Ao todo serão 13 faixas, produzidas e gravadas por Jesus Sanchez, em Perdizes, baixo da zona oeste de são Paulo. A previsão é que o sucessor do eletrizante O Último Dia de Um Homem Sem Juízo (2008) e do atordoante Que Isso Fique Entre Nós (2011) seja lançado depois do carnaval de 2015 – ou seja, depois de 17 de fevereiro. “Esse disco é mais solar do que o Que Isso Fique Entre Nós e o mais brasileiro da minha carreira”, explica Pélico. “Talvez essa seja a principal característica do novo disco.”

Discografia comentada:

Ouça O Último Dia de Um Homem Sem Juízo:

Pélico ainda se descobria como compositor e músico. As faixas, de certa maneira, tratam de exorcizar os medos de expor a si mesmo no palco, de maneira crua e intensa. Um álbum mais paranoico e elétrico. Ouça “Me Prender”, “Última Canção” e “Último Dia de um Homem Sem Juízo”.

Ouça Que Isso Fique Entre Nós:

A turbulência deu lugar à calmaria. E Pélico foi tratar do coração maltratado. Um álbum com um sabor ainda agridoce, mas sem o azedume e o sarcasmo do disco anterior. Letras confessionais e de uma delicadeza capaz de colocar o compositor entre os destaques da geração. Ouça “Não Éramos Tão Assim”, “Levarei”, “Recado” “Vou Te Deixar, Por Enquanto” e “O Menino”.