Selton lança remix “atrevido” com influências de M.I.A., funk ostentação e Beastie Boys

Banda volta ao Brasil para lançar o primeiro disco em vinil, mas já prepara novo álbum

Pedro Antunes Publicado em 15/04/2014, às 18h25 - Atualizado às 21h09

Selton
Andrea Raso / Divulgação

Por Pedro Antunes

Foram seis tentativas até que uma chegasse ao ponto certo. Daniel Plentz, baterista da banda Selton, cujo disco de estreia, Saudade, foi eleito pela Rolling Stone Brasil como um dos 25 melhores do ano, enfim encontrou um remix que o agradou o bastante para lançar o Bjimbo, projeto que faz sua estreia com exclusividade no S.O.S., blog dedicado à música alternativa da RS.

De Porto Alegre a Milão via Barcelona, banda Selton é uma das revelações do indie pop na Itália.

Se a canção escolhida, “Across The Sea”, já parecia trazer batidas capazes de fazer sacolejar os mais duros dos quadris, a nova versão mergulha em batidas de funk e banha-se em um atrevimento proposital, segundo Plentz. “Pedimos pra alguns produtores fazerem versão da música, mas não gostamos da direção que eles deram”, contou o baterista. “Demorei bastante pra encontrar um caminho entre o remix que usa apenas uma ideia da música e aquele que segue a estrutura da canção”, refletiu.

Para recriar a música, Plentz cita referências “dançantes”, como ele diz, que vão de M.I.A., funk ostentação, Licensed to Ill (primeiro álbum do Beastie Boys, de 1986) e “We've Come a Long Way Baby”, do Fat Boy Slim. “É muito bom olhar para uma música sua com distância e poder ver outros pontos de vista”, aprovou o companheiro de banda Ramiro Levy, voz e guitarra do Selton.

A faixa, escolhida para se transformar em um clipe no qual Plentz é torturado (assista clicando no link abaixo), nasceu “já pronta”, como conta Ramiro. O refrão surgiu para Ricardo Fischmann (voz, guitarra e teclado) durante uma viagem. “Acho que essa é uma das músicas que transmite uma atmosfera de saudade dentro do disco”, disse o vocalista. “Sem falar diretamente sobre o tema. A história no fundo é triste, é como um conto de um amor impossível, com certa poesia nostálgica de um cenário tirado de Piratas do Caribe.”

Ouça o remix de "Across The Sea":

O grupo recentemente promoveu uma nova turnê pela Itália, onde é extremamente reconhecido, passando por Roma, Milão e Nápoles – a última parada, segundo eles, foi uma experiência bastante peculiar. “Costumamos achar que o Brasil é um país caótico e às vezes absurdo, mas nada se compara a Nápoles”, avalia Ramiro. “É difícil explicar, mas é uma cidade surreal, com um milhão de coisas acontecendo ao mesmo tempo. O show em si foi muito bom e o público era muito atento.”

O próximo passo já está definido: uma nova passagem pelo Brasil, com shows reformulados em São Paulo, Belo Horizonte (pela primeira vez), Curitiba, Rio de Janeiro e Porto Alegre. Neste retorno, trarão a saudade de forma literal na bagagem, com o álbum em vinil para o lançamento por aqui. “É difícil explicar exatamente o que torna o som do vinil especial, mas o fato é que ele é”, diz Ramiro. “Tudo parece mais quente, mais orgânico.”

Baterista da banda Selton é torturado na realidade alternativa do clipe de “Across the Sea”; assista.

Por fim, o Selton está prestes a experimentar o exercício de gravar o segundo disco. O grupo brasileiro residente em Milão já tem material inédito e, atualmente, imagina “a cara que o álbum vai ter”, segundo Ramiro. “Com o Saudade encontramos uma sonoridade que sintetiza muito a nossa essência: muitas vozes, percussão e um toque de eletrônica”, reflete o músico.

“É possível que, no próximo disco, estes elementos venham a ser ainda mais acentuados, mas talvez ainda seja muito cedo pra afirmar isso. O processo de idealização, produção e realização de um álbum é realmente uma jornada”, diz Ramiro, por fim. Talvez, seja necessário mais do processo de acerto e erro, como no remix do baterista. “Às vezes, parte-se com uma ideia e um objetivo e chega-se ao resultado completamente diferente. Às vezes o resultado é exatamente o programado. A verdade é que nós também estamos muito curiosos pra descobrir como será o nosso próximo disco.”