Yeah Yeah Yeahs lança movimento contra pessoas que mais filmam e fotogravam do que assistem aos shows

Redação Publicado em 09/04/2013, às 16h42 - Atualizado às 17h50

Cartaz pendurado na entrada do show do Yeah Yeah Yeahs
Reprodução / Spin

Karen O, Nick Zinner e Brian Chase, que formam o Yeah Yeah Yeahs, pediram aquilo que muita gente pensa, mas poucos o fazem: que as pessoas parem de se preocupar tanto com as filmagens das músicas e curtam mais o show. A banda pendurou um cartaz (foto ao lado e aqui), na entrada do Webster Hall, em Nova York, com o qual a banda pedia para que o público deixasse as câmeras e smarthones de lado. As informações são da revista Spin.

Leia textos das edições anteriores da Rolling Stone Brasil – na íntegra e gratuitamente!

“Por favor, não assista ao show pela tela do seu dispositivo móvel ou câmera. Coloque essa porcaria de lado como uma cortesia à pessoa que está atrás de você e à Nick, Karen e Brian. Muito amor e muito obrigado!” , disse o bilhete.

Karen O ainda reforçou o pedido durante a apresentação, logo na segunda música do show. A vocalista disse ao público para tirar quantas fotos quisessem nos minutos seguintes e, depois, guardarem “essas porcarias”.

O baterista do The Killers Ronnie Vannucci divide a mesma opinião. Em entrevista recente à Rolling Stone Brasil, ele disse: “Você precisa decidir qual experiência quer. Se prefere lembrar de olhar para o seu telefone ou de ter mergulhado direito naquilo” (para ler a entrevista completa, clique aqui).

Nós da Rolling Stone Brasil também reunimos dez dos comportamentos mais chatos do público em shows ( veja a galeria completa aqui ). E, adivinhem, quais estão entre eles? Tirar fotos e/ou filmar a apresentação inteira.

Afinal, guardar algumas imagens como recordação é uma ótima ideia, mas fotografar incessantemente atrapalha todo mundo – sem mencionar que qual será a serventia de 120 fotos tão similares uma das outras? O mesmo acontece com o vídeo, já que os microfones de câmeras filmadoras, smartphones e tablets não são tão bons para suportar os altos decibéis e o som nunca ficará bom o bastante.