Cabeça de Nêgo: Conheça elogiado filme cearense do diretor Déo Cardoso

O filme Cabeça de Nêgo estreou nesta quinta, 21, para acompanhar uma história de racismo e revolução

Redação Publicado em 21/10/2021, às 09h54

None
Ator Lucas Limeira em Cabeça de Nêgo (Foto: Marcos Khirano/Divulgação)

Cabeça de Nêgo é uma produção cearense atual e relevante sobre racismo, autoritarismo e revolução. Dirigido por Déo Cardoso, o filme estreou nesta quinta, 21, com muitas críticas positivas à trama e aos profissionais envolvidos do projeto, em sua maioria, negros.

Conforme noticiado pelo Estado de Minas, a única locação do filme cearense foi uma escola pública em Fortaleza e seus arredores. A narrativa acompanha o Saulo (Lucas Limeira), quem sofre um insulto racista ao ser chamado de “macaco” na sala de aula, mas cuja agressão passa despercebida pelo professor.

+++LEIA MAIS: Com crônicas sensíveis, Homens pretos (não) choram quebra estereótipos enquanto Stefano Volp fala sobre masculinidade na ficção: ‘Quanto mais vulneráveis somos, mais se identificam’ [ENTREVISTA]

Ao confrontar o colega que fez o comentário, Saulo é expulso da sala de aula pelo professor. Então, o protagonista, inspirado pelos Panteras Negras, inicia uma greve estudantil para enfrentar a direção e dar atenção ao racismo presente na instituição de ensino.

Na trama, o diretor narra a história em diálogo com profundas reflexões sobre o sistema público de educação no Brasil, o racismo presente nas instituições e a função doas celulares e a internet para reinventar a escola a combater a precariedade do ensino.

+++LEIA MAIS: Os estereótipos nos filmes de Hollywood e por que eles distorcem a visão real do mundo [ANÁLISE]

Atual, potente e necessária, a narrativa também potencializa as produções nacionais para além do núcleo do sudeste, e representa, segundo reportagem da Folha de S. Paulo, a cena brasileira do cinema negro — no conteúdo apresentado e nos bastidores.

Por onde passou, Cabeça de Nêgo foi elogiado pela crítica. Pela Associação Cearense de Críticos de Cinema em 2020, foi eleito o Melhor Longa-metragem Cearense. Ainda, a produção foi exibida em grandes eventos, como o Festival de Cinema de La Plata (Argentina)e no International Film Festival (EUA) - e nesta quinta, 21, chega às telonas brasileiras.

+++LEIA MAIS: Black Is King: Álbum visual de Beyoncé é uma lição decolonial sobre as diferentes Áfricas: 'Dá espaço para culturas fora da compreensão dominante'

Cabeça de Nêgo: O que Déo Cardoso tem a dizer?

Em entrevista ao Estado de Minas, o diretor Déo Cardoso comentou sobre o filme, assim como o desenvolvimento e contrição da história. O cineasta tem cinco curtas e dois documentários feitos ao longo da carreira, e Cabeça de Nêgo é a primeira produção ficcional — apesar de tratar uma situação tão real.

Segundo a reportagem, o cineasta teve a ideia de discutir sobre o sistema educacional no Brasil e o que recai sobre a população periférica e negra: “Muitas escolas públicas foram erguidas, inclusive arquitetonicamente, para simular prisões. Existe uma certa lógica ali que é muito excludente,” disse.

 
 
 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação partilhada por Emerson Déo Cardoso (@deocardoso1)

+++LEIA MAIS: Afrofuturismo: como essa revolução cultural tomou o mainstream de assalto e chegou inclusive à Marvel com Pantera Negra

Dessa forma, Cabeça de Nêgo propõe uma importante, necessária e atual reflexão sobre injustiça social e a possibilidade de usar a tecnologia para reivindicar mudanças, além de potencializar o diálogo e o combate ao preconceito: “Se o racismo ainda está vivo, é porque a gente não soube combatê-lo. A ferida está aberta desde a época do Brasil colônia.” Confira o trailer da produção: