Capital da Somália tem primeira exibição de filme em 30 anos; entenda

Com cinemas destruídos desde 1991, o Teatro Nacional da Somália exibiu, após 30 anos, o primeiro filme na cidade

Redação Publicado em 23/09/2021, às 16h15

None
Sala de cinema (Foto: Kevin Frayer/Getty Images))

Mogadíscio, capital da Somália, foi palco de uma noite histórica na quarta, 22 de setembro. A cidade teve a primeira exibição de um filme em 30 anos, e o evento ocorreu no Teatro Nacional da Somália.

Segundo informações do G1, a exibição teve rígidas medidas de segurança, e a programação de estreia contou com dois curtas do diretor somali IBrahim CM, Hoos e Date from Hell. Para participar da exibição, foi necessário desembolsar cerca de 8,50 euros (US$ 10 dólares) — valor alto para muitos habitantes da cidade.

+++LEIA MAIS: Morre Melvin Van Peebles, ícone do cinema negro, aos 89 anos

O teatro em que aconteceu a exibição foi doado em 1967 pelo líder chinês Mao Zedong, e foi palco de muitas situações violentas. Conforme reportagem do G1, o local foi alvo de ataques suicidas e serviu de base para senhores da guerra civil, que estourou em 1991 no país africano.

O jornalista Harun Maruf publicou um vídeo da sessão de cinema nas reedes sociais, e escreveu: "Noite histórica em Mogadíscio, quando jovens nascidos durante a guerra civil vão ao teatro nacional para a primeira exibição de filme em décadas. #Somália"

+++ LEIA MAIS: 5 momentos marcantes da carreira de Spike Lee: do Oscar a entrevista com Racionais MC's

Todos os cinemas de Mogadíscio fecharam em 1991, com a guerra, e permaneceram desta forma. Por isso, para o evento, o teatro foi utilizado. O estabelecimento, que antes caiu em desuso, foi reaberto em 2012 e, em seguida, destruído pela Al Shabab, milícia islâmica ligada à Al Qaeda que promove ataques na capital da Somália. Posteriormente, o espaço foi restaurado.

Apesar de a Al Shabab não estar na capital há dez anos, o país ainda enfrenta uma guerra civil, ataques à bomba, colapso do sistema de saúde e desnutrição. Por isso, em entrevista à France Press, Hakimo Mohamed demonstrou preocupação com a segurança da exibição:

+++LEIA MAIS: Tom Hanks acredita que os cinemas vão sobreviver à pandemia: “Absolutamente”

“As pessoas saíam à noite e ficavam até tarde se quisessem, mas agora não acho muito seguro,” disse a moradora de Mogadíscio. Segundo a AFP, o evento ocorreu sem incidentes com a segurança.