Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone
Cinema / Crítica

Christopher Nolan comemora 53 anos; conheça os 5 melhores filmes do diretor, de acordo com a crítica [LISTA]

'Interestelar', 'Tenet' e 'A Origem' não aparecem no top 5

Redação Publicado em 30/07/2023, às 12h36

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Dunkirk (Divulgação)
Dunkirk (Divulgação)

Christopher Nolan completa 53 anos neste domingo, 30. O diretor está no foco das discussões sobre cinema com o lançamento recente de Oppenheimer, que conta a história do físico que foi um dos principais responsáveis pelo desenvolvimento da bomba atômica. A escolha narrativa divide o público geral entre aqueles que amaram o filme e aqueles que o odiaram do início ao fim. Aqui, no entanto, separamos as cinco melhores obras de Nolan, de acordo com a crítica, e [spoiler] Oppenheimer está em segundo lugar noMetacritic — site que reúne críticas de diversos veículos e forma uma média.

Dunkirk

Dunkirk(2017) conta — com o roteiro de pouco mais de 70 páginas — o episódio ocorrido em Dunquerque, na França, quando a Alemanha cercou tropas aliadas. O longa de Nolan é dividido em três capítulos que elencam as formas como soldados britânicos e franceses foram evacuados do lugar: pela terra, pela água e pelo ar. 

+++LEIA MAIS: O melhor filme de comédia de todos os tempos, segundo Christopher Nolan

Inclusive, Christopher finaliza o filme com discurso de Winston Churchill, ex-primeiro-ministro do Reino Unido, que é também a introdução de "Aces High" nos shows do Iron Maiden.

O elenco repete a dose de Cillian Murphy, que apareceu também em A Origem (2011). Além disso, Harry Styles faz sua estreia como ator.

Oppenheimer

Embora Christopher Nolan tenha garantido que Oppenheimer não é uma cinebiografia, o filme é muito fiel à história real do físico, contada em diversas outras obras, como no livro The Making of the Atomic Bomb, de Richard Rhodes

Muitos internautas reclamaram da falta de uma visão do Japão durante o longa-metragem, mas em Oppenheimer, Nolan oferece o olhar dos Estados Unidos sobre um acontecimento mundial.

O diretor constrói ao longo de três horas uma narrativa pessoal, obviamente fictícia, concomitante com uma história real, dando brecha para que o espectador experimente a ambiguidade no nível de culpa ou não de J. Robert Oppenheimer sobre o lançamento de bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki, no Japão.

+++LEIA MAIS: Oppenheimer: quem é o físico que inspirou filme de Nolan?

Assistir o filme em salas IMAX, ainda que não haja uma devidamente equipada no Brasil, também é um grande diferencial para quem valoriza a qualidade de uma obra audiovisual. Os trechos que lembram o episódio oito da última temporada de Twin Peaks chegam a parecer que estão saindo da tela.

Batman: O Cavaleiro das Trevas

Christopher Nolan deu uma nova cara aos filmes de super-heróis quando filmou a trilogia de Batman. Na segunda produção da série, Batman: O Cavaleiro das Trevas (2008), recebemos a atuação de Heath Ledger como Coringa, considerada uma das mais brilhantes dentre todas as adaptações. A performance de Heath Ledger lhe rendeu um Oscar póstumo.

Amnésia

Amnésia (2000) conta a história de Leonard, um homem que está em busca do assassino da própria esposa, mas tem dificuldade em seguir seu plano por causa da perda de memória, daí o nome do filme. O roteiro é baseado em um livro escrito pelo irmão de Christopher, Jonathan Nolan, Memento Mori

A falta de linearidade na narrativa se tornou uma marca dos filmes dirigidos por Nolan. A Origem (2011) e Tenet (2020), por exemplo, abusam do mesmo estilo. De forma semelhante, cenas em preto e branco, como são feitas em Oppenheimer, são inseridas para ajudar na compreensão da cronologia. Se você assistiu Amnésiae não entendeu nada, aqui vai um vídeo em que o próprio Nolan explica tudo:

Insônia

Talvez esse seja o filme atribuído a Nolan menos conhecido da lista. Sem passagens de tempo mirabolantes, Insônia (2002) é um remake de um longa norueguês, que retoma a temática de assassinato e investigação. O personagem principal lida com o sentimento de culpa enquanto investiga a morte de uma adolescente. Al Pacino é um dos nomes de peso que estrelam no filme.