Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone
Cinema / Opinião

Imaculada: Sydney Sweeney elogia relevância cultural do filme de terror

Além de interpretar a protagonista de Imaculada, Sydney Sweeney também é produtora e ajudou a viabilizar o longa dirigido por Michael Mohan

Sydney Sweeney como Cecilia em Imaculada (Foto: Divulgação)
Sydney Sweeney como Cecilia em Imaculada (Foto: Divulgação)

Em desenvolvimento há mais de 10 anos, Imaculada finalmente saiu da gaveta após Sydney Sweeney entrar como produtora do projeto dirigido por Michael Mohan e escrito por Andrew Lobel. Também intérprete da protagonista, Cecilia, Sweeney elogiou relevância cultural da produção.

Além dela, o elenco também conta com nomes como Álvaro Morte (Padre Sal Tedeschi), Simona Tabasco (Mary), Benedetta Porcaroli (Gwen), Giorgio Colangeli (Cardeal Franco Merola), Dora Romano (Abadessa), entre outros. Leia a sinopse abaixo:

Cecilia, uma jovem religiosa, se torna freira em um convento isolado na região rural italiana. Após uma gravidez misteriosa, Cecilia é atormentada por forças perversas, enquanto confronta segredos sombrios e horrores do convento.

+++LEIA MAIS: O que Sydney Sweeney acha do fracasso de Madame Teia?

Durante entrevista à Variety, Sweeney explicou como foram os bastidores da produção, desde quando fez teste para a protagonista na adolescência até o momento quando, estabelecida na indústria, entrou como produtora. Imaculada estreia em 30 de maio de 2024 nos cinemas brasileiros.

"Então o roteiro já existe há 10 anos – fiz o teste quando tinha 16 anos. E era um rascunho muito diferente. Liguei para o roteirista, Andrew Lobel, e consegui o rascunho limpo e original, depois o reformulei para se adequar a quem sou hoje, mantendo muitos dos mesmos temas e enredos," afirmou. "E um dos maiores que transitou foi algo inato no projeto que, infelizmente, ainda é um tema de discussão hoje."

+++LEIA MAIS:Sydney Sweeney sugere retorno em Euphoria: 'Me sinto em casa'

"O que é legal é que existem tantos temas e pontos de conversa diferentes para as pessoas tirarem suas próprias conclusões ou suposições," continuou Sydney Sweeney. "É isso que adoro – quando um filme não tenta transmitir uma mensagem à mente do público e dizer-lhe: 'É nisso que você precisa acreditar.' Adoro quando um filme tem uma variação de ideias e conceitos e permite que as pessoas concluam a sua própria opinião."