Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

Martin Scorsese exalta Pearl, estrelado por Mia Goth: 'Não consegui dormir'

Pearl é prequela de X - A Marca da Morte - ambos estrelados por Mia Goth

Redação Publicado em 04/05/2023, às 12h01

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Martin Scorsese (Foto: Kimberly White/Getty Images) e Mia Goth em Pearl (Foto: Reprodução/A24)
Martin Scorsese (Foto: Kimberly White/Getty Images) e Mia Goth em Pearl (Foto: Reprodução/A24)

Prequela de X - A Marca da Morte (2022) dirigida por Ti West, Pearl foi sucesso de público e crítica - e o filme estrelado por Mia Goth foi exaltado por Martin Scorsese, um dos maiores cineastas da história de Hollywood.

Durante entrevista ao /Film, Scorsese opinou sobre Pearl, que estreou no dia 9 de fevereiro de 2023 nos cinemas brasileiros, e também contou com David Corenswet, Emma Jenkins-Purro, Alistair Sewell, Tandi Wright, Matthew Sunderland, Todd Rippon, entre outros.

+++LEIA MAIS: Martin Scorsese exibirá novo filme em Cannes

"Os filmes de Ti West têm um tipo de energia que é tão rara hoje em dia, alimentada por um amor puro e não diluído pelo cinema," firmou o lendário diretor. "Você sente isso em cada quadro. Uma prequela de X - A Marca da Morte feita em um registro cinematográfico diametralmente oposto (pense nos melodramas coloridos da Scope dos anos 1950), Pearl cria um selvagem, hipnotizante, profundamente - e eu quero dizer profundamente - perturbador 102 minutos."

West e sua musa e parceira criativa, Mia Goth, realmente sabem como brincar com seu público… antes de enfiar a faca em nossos peitos e começar a torcer. Fiquei encantado, depois perturbado, depois tão inquieto que tive dificuldade para dormir. Mas eu não conseguia parar de assistir.

Os melhores filmes de todos os tempos, segundo Martin Scorsese [LISTA]

Um dos maiores diretores da história do cinema, Martin Scorsese é responsável por clássicos renomados, como Os Bons Companheiros (1990), Taxi Driver – Motorista de Táxi (1976), O Lobo de Wall Street (2013) e O Rei da Comédia (1982), mas nenhum deles, na opinião do próprio cineasta, está na lista de melhores filmes de todos os tempos.

+++LEIA MAIS: Martin Scorsese: 5 curiosidades sobre cineasta; desejo de ser padre, amizade com Robert De Niro e mais [LISTA]

Mesmo com nome forte na indústria, Scorsese é bastante esnobado na principal premiação do cinema hollywoodiano: o Oscar. Com 80 anos atualmente, o artista tem apenas uma estatueta da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, que foi Melhor Diretor por Os Infiltrados (2006).

Após pedido da revista Sight And Sound, o icônico diretor elencou quais são os melhores longas da história na opinião dele. O primeiro lugar ficou com o aclamado 2001 - Uma Odisseia no Espaço (1968), dirigido por Stanley Kubrick, que costuma aparecer no topo em listas desse tipo.

+++LEIA MAIS: Martin Scorsese está 'preso em seus caminhos' por críticas à Marvel, diz diretor

A produção contou com nomes como Keir Dullea (David Bowman), Gary Lockwood (Frank Poole), William Sylvester (Heywood Floyd), Daniel Richter (Moon-Watcher) e Douglas Rain (HAL 9000) no elenco. Leia a sinopse abaixo:

Uma estrutura imponente preta fornece uma conexão entre o passado e o futuro nesta adaptação enigmática de um conto reverenciado de ficção científica do autor Arthur C. Clarke. Quando o Dr. Dave Bowman e outros astronautas são enviados para uma misteriosa missão, os chips de seus computadores começam a mostrar um comportamento estranho, levando a um tenso confronto entre homem e máquina que resulta em uma viagem alucinante no espaço e no tempo.

Já a segunda posição ficou com Oito e Meio, filme italiano de 1963 dirigido por Federico Fellini e estrelado por Marcello Mastroianni (Guido Anselmi). O polonês Cinzas e Diamantes (1958), de Andrzej Wajda, completa o pódio. Veja o ranking completo abaixo:

  1. 2001 - Uma Odisseia no Espaço (1968);
  2. Oito e Meio (1963);
  3. Cinzas e Diamantes (1958);
  4. Cidadão Kane (1941);
  5. Diário de um Padre (1951);
  6. Viver (1952);
  7. O Leopardo (1963);
  8. A Palavra (1955);
  9. Paisà (1946);
  10. Os Sapatinhos Vermelhos (1948);
  11. O Rio Sagrado (1951);
  12. O Bandido Giuliano (1962);
  13. Rastros de Ódio (1956);
  14. Contos da Lua Vaga (1953);
  15. Um Corpo que Cai (1958).