Round 6: 7 referências artísticas na série; O Grito, Criação de Adão e mais [LISTA]

Além de atuações deslumbrantes e críticas sociais, a série Round 6 está repleta de referências artísticas, confira

Beatriz Bim (sob supervisão de Yolanda Reis) Publicado em 05/12/2021, às 10h00

None
Obra Relatividade, de M. C. Escher e Série Round 6 (Foto: Reprodução)

[Atenção: Contém spoilers de Round 6!]

A série sul-coreana Round 6 estreou no catálogo da Netflix em 2021, e em poucas semanas estabeleceu-se como um dos maiores sucessos do streaming. No Rotten Tomatoes, a produção tem mais de 90% de aprovação, além de alcançar o topo de séries mais assistidas em 84 países.

+++LEIA MAIS: Round 6: Atores rebatem críticas sobre atuação dos VIPs: 'Não cabe a mim desafiar a visão do diretor'

Criada por Hwang Dong-hyuk, a produção narra uma competição mortal feita com jogos infantis nos quais pessoas desesperadas e endividadas competem para ganhar o prêmio de 49 bilhões de wons (cerca de R$ 221 bilhões). No entanto, os perdedores não são simplesmente eliminados do jogo, mas mortos a sangue-frio.

Os cenários deslumbrantes, interpretações esplendidas e críticas a sociedade moderna não são os únicos fatores geniais no fenômeno mundial. Round 6 é repleta de referências a movimentos artísticos e obras de artes. Confira:

 
 
 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Netflix US (@netflix)

+++LEIA MAIS: Round 6: Conheça o elenco (e personagens) da série hit da Netflix


Relatividade, de M. C. Escher

Foto: Reprodução / Netflix

Desenvolvida em 1953 pelo artista holandês M. C. Escher, Relatividade retrata uma realidade onde as leis da gravidade não se aplicam. Nela, é impossível identificar a direção ou plano das escadas, e os sujeitos representados são impessoais e possuem rostos e corpos idênticos.

+++LEIA MAIS: Round 6 'não é sobre jogos de sobrevivência', diz Lee Jung-jae

Na série a mesma situação ocorre. Os competidores, assim como os soldados, vivem em uma realidade onde as leis naturais da vida cotidiana não existem. Ao subirem as escadas, não sabem qual serão os destinos ou onde chegarão. Logo, não passam de números, sem personalidade ou valor.


O Grito, de Edvard Munch

Foto: Reprodução / Netflix

+++LEIA MAIS: Round 6: Série da Netflix ganha paródia hilária com Rami Malek e Pete Davidson; assista

O Grito foi pintada pelo norueguês Edvard Munch em 1893. A arte simboliza o homem moderno, após uma crise de angústia existencial. A situação foi inspirada em um momento enfrentado pelo artista.

Escritos sobre a obra são encontrados no diário do autor: “Estava caminhando com dois amigos, era pôr do sol. De repente, o céu ficou vermelho sangue. Parei, cansado, e encostei em uma cerca. Havia sangue e línguas de fogo acima do fiorde da cidade. Meus amigos continuaram, mas fiquei, tremendo de ansiedade. Senti um grito interminável passando pela natureza.”

+++LEIA MAIS: Round 6: Quais personagens de La Casa de Papel ganhariam a competição da série da Netflix?

A experiência do pintor é como da personagem: no momento a competidora percebe que a eliminação do jogador anuncia a própria morte. Em seguida, o pânico se estabelece e, então, o massacre. A situação pode ser comparada ao ataque de ansiedade representado por Munch.


Baile Surrealista, de Marie-Hélène Rothschild

Foto: Reprodução / Netflix

+++LEIA MAIS: Round 6: Netflix deve ganhar US$ 900 milhões com série sul-coreana

Baile organizado pela famosa socialite e herdeira francesa Marie-Hélène de Rothschild, em 12 de dezembro de 1972. A festa foi inspirada no surrealismo e o traje adequado incluía vestidos longos e cabeças referentes ao movimento.

No evento, os criados, vestidos de gatos, desdobravam-se para receber e servir os convidados de Rothschild, também disfarçada.No baile, estavam grandes nomes de Paris da época, como Audrey Hepburn, Brigitte Bardot, Serge Gainsbourg, Yves Saint Laurent e Salvador Dali.

+++LEIA MAIS: Round 6: Qual jogo infantil foi o mais difícil de filmar? Lee Jung-jae responde

A vestimenta assemelha as roupas utilizadas pelos VIPs na série. São integrantes da alta classe, esbanjam dinheiro e divertem-se com os jogos. Além disso, o cenário onde assistem ao Jogo da Ponte também segue a linguagem surrealista. Assim como no Baile de Rothschild, há objetos remetentes a selva, garçons mascarados e mulheres objetificadas como mobílias.


O Jantar, de Judy Chicago

Foto: Reprodução / Netflix

+++LEIA MAIS: O Orfanato: Antes de Round 6, filme de terror apresentou ‘Batatinha Frita 1, 2, 3’; conheça

Considerada uma das primeiras obras feministas, O Jantar, da artista americana Judy Chicago, foi criado em 1974. A instalação propõe uma mesa de banquete triangular de 14 metros com 13 lugares de cada lado do triângulo, simbolizando igualdade.

Nos assentos, há a representação de 39 figuras míticas e históricas femininas, da rainha inglesa Elizabeth I à deusa da fertilidade. Os nomes das mulheres eram bordados nos lugares, e Judy atribuiu-lhes símbolos, como guardanapos, utensílios de cozinha, canecas e pratos, para representá-las.

+++LEIA MAIS: Round 6: Netflix pagou R$ 110 milhões por série sul-coreana; entenda

Chicago criou a instalação com o propósito de “encerrar o ciclo contínuo de omissões no qual mulheres são ausentadas da história." Logo, o momento escolhido para utilizar a mesa triangular na série é curioso.

A jogadora Sae-Byeok senta-se à mesa com Gi-Hun e Sang-Woo, mas está fraca e vulnerável. Enquanto sangra discretamente, os dois homens saboreiam a refeição e o vinho oferecido pelos organizadores.

+++LEIA MAIS: Round 6: Grupo coreano de pagode faz cover de Péricles em vídeo comemorativo da Netflix; assista


A Criação de Adão, de Michelangelo

Foto: Reprodução / Netflix

Outra renomada arte, a obra renascentista Criação de Adão é de Michelangelo, 1511. A produção representa a passagem bíblica na qual Deus originou a humanidade, criando o primeiro homem, Adão. O braço direito da entidade carrega vida à Adão, quem espelha a imagem divina. É, portanto, o nascimento da raça humana.

+++LEIA MAIS: Além de Round 6: Quais são as 10 séries mais vistas da Netflix? [LISTA]

No episódio final de Round 6, Gi-Hun seria como o ser divino. Ele estende a mão para Sang-Woo, oferecendo a oportunidade de viver. Ao aceitar a ajuda do amigo e desistir do jogo, o competidor poderia adotar a mesma abnegação do personagem e renascer como um novo homem. No entanto, opta pelo suicídio, recusando o renascimento proposto pelo oponente.


Império das Luzes, de René Magritte

Foto: Reprodução / Netflix

+++LEIA MAIS: Round 6: Por que final da série da Netflix decepcionou LeBron James?

Quando o policial Hwang Jun-Ho visita o apartamento do irmão - quem posteriormente descobrimos ser o Front Man - alguns livros artísticos aparecem. Entre eles, há obras sobre Picasso, Claude Monet e Vincent van Gogh.

Outros dois livros se destacam: um do psicanalista parisiense Jacques Lacan e outro sobre René Magritte, com uma versão da obra Império das Luzes na capa. A mesma pintura aparece em um cartão-postal ao lado da estante.

+++LEIA MAIS: Round 6: Em qual cena Jung Ho-yeon não conseguiu conter o choro?

Foto: Reprodução / Netflix

A composição pertence ao conjunto de 27 pinturas do artista surrealista, criadas entre 1940 e 1960. Retrata o confronto do dia e da noite, apresentando uma cena inverossímel. O lado simbólico da obra discute a coexistência das trevas e da luz, do bem e do mal.

+++LEIA MAIS: Round 6 ultrapassa Bridgerton e vira série original Netflix mais popular da plataforma

Como em Round 6 nada é aleatório, a obra de Magritte possui um significado. A pintura assemelha-se ao cenário onde os competidores jogaram Batatinha Frita 1, 2, 3 e onde Gi-Hun e Sang-Woo enfrentam o desafio final.

No primeiro momento, a cena é clara e os participantes são inocentes e ingênuos sobre o jogo. Em contrapartida, na última ocasião, o cenário é escuro e chuvoso. Nele, os amigos não são mais os mesmo e se encontram perturbados pelas mortes provocadas e o sofrimento vivido.

+++LEIA MAIS: Round 6: Hotel cria competição inspirada na série com prêmio em dinheiro


Obras do Cubismo, de Pablo Picasso

Foto: Reprodução / Netflix

Um dos livros na estante do Front Man é sobre as obras do artista espanhol Pablo Picasso, especialmente o cubismo. Foi a primeira vanguarda europeia e surgiu em 1907. Nele, as composições representavam a realidade através de figuras geométricas.

+++LEIA MAIS: Round 6: Coreia do Norte usa série da Netflix para criticar sociedade ‘bestial’ da Coreia do Sul; entenda

Em Round6, traços do estilo artístico estão na máscara do personagem e no escritório do Front Man, onde assistia aos jogos. Considerando os livros e interesse pela história da arte apresentada no apartamento, possivelmente o personagem ajudou a arquitetar os cenários da competição.