Samuel L. Jackson defende termo racista em filmes de Tarantino: 'É um contexto'

Samuel L. Jackson criticou humorista Joe Rogan pelo uso do termo de forma confortável

Dimitrius Vlahos (sob supervisão de Yolanda Reis) Publicado em 02/03/2022, às 09h32

None
Samuel L. Jackson (Foto: Greg Campbell / Getty Images)

Para Samuel L. Jackson, uso da N-word (palavra com N, em tradução livre) em filmes é justificável. O ator defendeu o cineasta Quentin Tarantino por utilizar termo racista em roteiros e condenou humorista Joe Rogan em entrevista ao jornal The Times (via Estadão). 

 "Está tudo bem se a palavra for usada como um elemento da história, dos temas dela. Uma história de ficção é um contexto. Mas usar palavras derrogatórias só para arrancar uma risada de alguém? Isso é errado," argumentou. Jackson trabalhou com Tarantino em diversas produções, como Pulp Fiction (1994) e Kill Bill: Volume 2 (2004).

+++ LEIA MAIS: Kill Bill: Por que Uma Thurman não queria usar figurino icônico do filme de Tarantino?

Samuel relembrou momento no set de Django Livre (2012) - outra colaboração entre os dois - quando Leonardo DiCaprio se incomodou por repetir a palavra racista diversas vezes: "Leo disse: 'Não sei se consigo dizer essa palavra tantas vezes em uma cena'. Eu e Quentin respondemos a ele que era preciso." 

"Sempre que alguém quer um exemplo de uso exagerado dessa palavra, citam Quentin, e isso é injusto. Ele está apenas contando uma história, e os personagens falam daquele jeito," completou em defesa do diretor.

+++ LEIA MAIS: Quentin Tarantino rebate críticas sobre cena de Bruce Lee em Era Uma Vez em… Hollywood: 'Chupem um p**'

De acordo com o ator, Joe Rogan foi além dos limites na apresentação do próprio podcast - não apenas pela falta de contexto, mas pelo conforto ao usar o termo ofensivo: "Ele não deveria ter dito isso. Não é o contexto, cara – ele estava confortável fazendo isso. Diz sentir muito porque quer manter o dinheiro, mas estava se divertindo."


Oscar 2022: qual você acha a melhor música da premiação?

  • "Be Alive" – Dixson e Beyoncé (King Richard: Criando Campeãs)
  • "Down to Joy" – Van Morrison (Belfast)
  • "Dos Oruguitas" – Lin-Manuel Miranda (Encanto)
  • "No Time To Die" – Billie Eilish e Finneas O'Connor (007: Sem Tempo Para Morrer)
  • "Somehow You Do" – Diane Warren (Four Good Days)

+++ LEIA MAIS: Oscar 2022: Quem são os atores indicados pela primeira vez?

+++ LEIA MAIS: Oscar 2022: Jane Campion se torna primeira mulher com duas indicações à Melhor Direção

+++ LEIA MAIS: Oscar 2022: Quem é o único brasileiro indicado ao Oscar?