Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

Série da HBO Max revisita Massacre de Realengo

Bianca Lenti ouve familiares de vítimas da tragédia em Realengo

por Heloísa Lisboa (@helocoptero) Publicado em 12/07/2023, às 16h39

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Banner de 'Massacre na Escola: A Tragédia das Meninas de Realengo', da HBO Max (Divulgação)
Banner de 'Massacre na Escola: A Tragédia das Meninas de Realengo', da HBO Max (Divulgação)

Nova série da HBO Max, Massacre na Escola: A Tragédia das Meninas de Realengo, revisita tragédia ocorrida em 7 de abril de 2011, no Rio de Janeiro, quando um homem de 23 anos matou 12 estudantes.

Bianca Lenti, dos documentários Fio do Afeto e Soldados do Araguaia, analisa possíveis razões que levaram ao atentado e à repetição do ocorrido em outras escolas. Dez das vítimas da escola municipal Tasso da Silveira eram meninas e, por isso, a diretora abordou a história sob a ótica do feminicídio, de acordo com a CNN:

Esse tema [o feminicídio] não foi priorizado porque era um crime muito novo e estava todo mundo em choque. O que interessava era: quem era o atirador? Por que ele fez isso?

O enfoque nos relatos das famílias das vítimas e na discussão social que envolve o tema levaram Lenti a a não divulgar o nome do assassino ao longo dos dois episódios da série. Em 2011, o nome do autor do crime foi amplamente divulgado, o que levou à construção de uma narrativa totalmente diferente da pretendida por Bianca.

Mais de doze anos depois do massacre, o cenário mudou para pior, já que o número de atentados em escolas tem aumentado. Segundo a Agência Brasil, desde 2002 foram registrados 24 atentados, sendo que 17 deles ocorreram nos últimos quatro anos. Ao jornal O Estado de S. Paulo, Bianca Lenti apontou a defesa às armas de fogo como um dos fatores que agravaram a situação de 2011 para cá:

Começamos a filmar a série em 2022 e tudo mudou. O contexto só piorou. A gente viu a radicalização do discurso de ódio, defesa de acesso às armas de fogo, e ódio disseminado nas redes sociais. Não à toa, testemunhamos mais seis massacres em escolas nos últimos seis meses. 

O levantamento da Agência Brasil revela também que em todos os casos o crime foi praticado por um homem ou menino, sendo que 11 deles usaram armas de fogo, causando três vezes mais mortes do que armas brancas.

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!