O Brilho da Prata

"Todo dia tenho uma idéia nova para gravar", revela James Murphy à RS Brasil

José Julio do Espírito Santo Publicado em 08/11/2007, às 20h19 - Atualizado em 14/11/2007, às 12h48

James Murphy: Cheio de Brilho
Ruvan Wijesooriya/Divulgação

"É só turnê, turnê, turnê&" James Murphy, o homem à frente do LCD Soundsystem, ensaia uma falsa reclamação sobre seus afazeres atuais. Na verdade, ele mal consegue esconder o orgulho de ser hiperativo.

O LCD Soundsystem tem shows marcados em São Paulo (hoje, terça, 13); no festival Eletronika, em Belo Horizonte (14); no Circo Voador, no Rio de Janeiro (16); e no Marina Hall, em Brasília (17). É a terceira e mais longa passagem da banda pelo Brasil. Desta vez, a formação é um pouco diferente. "O baixista da banda original está no !!! e eles ainda estão em turnê, então ele não pôde vir. O guitarrista teve um filho e teve que ficar em casa e virar pai", Murphy explica. A banda atual, junta há um ano, tem Pat Mahoney, na bateria, Nancy Whang, nos teclados e backing vocals, Phil Skarchin, no baixo, e J.D. Mark, na guitarra.

É do LCD Soundsystem o álbum que vai figurar em todas as listas de melhores de 2007, tanto da turma do rock quanto da de dance - Sound of Silver. Ele faz um upgrade de LCD Soundsystem, o homônimo álbum de estréia, da mesma forma que James Murphy atualiza a música eletrônica para as pistas. Conheça o indivíduo e entenda o sistema. Primeiro, chega a criação: "Todo dia tenho uma idéia nova para gravar", Murphy declara. "Não me preocupo se depois de algumas horas ela desapareça da minha mente. Isso sempre aconteceu na minha vida. Vivo compondo música mentalmente, daí elas vão embora e acho normal." Depois, vem a transpiração: "Sou muito organizado, então vivo limpando as coisas. Talvez você pense que não é lá um negócio dos mais excitantes", revela. "Faço isso até no ônibus de turnê. Normalmente ele é bem pequeno, então eu o mantenho bem limpo."

Esse é um dos leves sintomas de transtorno obsessivo-compulsivo que Murphy sabe administrar para o bem quando grava suas músicas. Em qualquer faixa do LCD Soundsystem, é possível notar ecos do post-punk - de Talking Heads a The Fall, passando por Gang of Four e tudo que jogava a percussão para a frente. O que James Murphy faz quando consegue colocá-las na mesa de gravação é limpar todo o ranço de décadas com alguma "escova digital" novinha em folha: detalhismo e inspiração para o som de prata voltar a brilhar.

LCD Soundsystem

São Paulo: Terça, 13/11, às 22h

Via Funchal - Rua Funchal, 65, Vila Olímpia,

Informações: 11 3044-2727

R$ 80 a R$ 120

Belo Horizonte: quarta, 14/11 - festival começa às 22h; LCD, às 2h

Chevrolet Hall - Av. Nossa Senhora do Carmo, 230, Savassi

Informações: 31 3209-8989

R$ 60

Rio de Janeiro: sexta, 16/11, às 22h

Circo Voador - R. dos Arcos, s/n, Lapa

Informações: 21 2533-0354

R$ 200 (R$ 100 com filipeta ou 1 kg de alimento, somente na bilheteria)

Brasília: sábado, 17/11, às 22h

Marina Hall - Setor de Clubes Norte, Trecho 2, Zona 0

Informações: 61 3306-3014

R$ 80