Pane no sistema

Em novo projeto, dupla do System of a Down deixa metal de lado

Redação Publicado em 07/03/2008, às 17h09 - Atualizado em 15/04/2008, às 19h13

Daron Malakian e John Dolmayan fazem trabalho inspirado em David Bowie e Neil Young

John Dolmayan achou que ia poder descansar por algum tempo quando o System of a Down entrou em férias em 2006. Não foi bem assim: ele participou do disco solo do colega Serj Tankian e agora está atrás das baquetas nas gravações de Scars on Broa-dway, sua nova banda com o cantor/guitarrista Daron Malakian, do SOAD. Cercado por velas no estúdio Sunset Sound (Hollywood), Dolmayan está desenvolvendo uma batida vigorosa nos pratos. Acompanhando de perto, Malakian chama isso de "a mistura de Dolmayan".

Durante a semana, Dolmayan dirige até Los Angeles de sua casa em Las Vegas para ensaiar na casa de Malakian. "Estou gostando disso", diz o baterista. "Tenho muito orgulho do que estamos fazendo." Malakian se afastou da composição que desenvolve no System of a Down, passando do metal desgastado para um trabalho mais baseado em canções, inspirado por Neil Young e David Bowie. "Não sinto mais vontade de fazer uma banda para as pessoas fazerem mosh", diz. "Estou mais confortável escrevendo esse tipo de material."

As gravações começaram em outubro, com produção do próprio Malakian. O produtor Rick Rubin foi um dos primeiros a ouvir o projeto, oferecendo feedback das novas músicas. "World Gone Wrong" é um rock agitado e "Universe" é triste e melódico. Não é um álbum abertamente político, mas ainda mantém um lado provocador. Em "3005", Malakian canta: "Vamos bater palmas para o presidente e para Jesus Cristo/ E não vamos esquecer de Charles Manson".

"Sinto mais pressão, as pessoas estão cheias de expectativas", conta Malakian, sobre as novas faixas. "Mas estou um pouco nervoso para permitir que as pessoas escutem." Só que a espera por outro álbum do SOAD ainda pode ser grande. "Acho que vai ter outro CD do Scars antes de algo novo do System", diz Malakian. "Não dá para abandonar sua família, no entanto. Sempre senti algum tipo de ligação com o Serj e tenho certeza de que ele sente o mesmo comigo."