Moptop

Álbum: Como se Comportar. Previsão: junho de 2008

Christina Fuscaldo Publicado em 07/05/2008, às 18h10 - Atualizado em 04/08/2008, às 18h09

Quando o Moptop lançou seu primeiro CD, em 2006, houve comparação entre o som sujo da banda carioca com o de inglesas e/ou da norte-americana Strokes. Para a gravação do segundo, os músicos convidaram Paul Ralphes. Apesar de ser inglês, o produtor radicado no Brasil, que já trabalhou com Sandy & Junior, está ajudando a deixar o disco com cara de Brasil. "Paul Ralphes é uma enciclopédia do rock, mas já fez muita coisa pop", diz o vocalista e guitarrista Gabriel Marques. "Não tem nada de regional, mas o disco está mais à vontade em ser brasileiro.

Quando fizemos o primeiro, entramos no estúdio presos à sonoridade das demos que gravamos em casa. Agora, temos noção dos timbres de que gostamos." Os temas seguem a mesma linha do trabalho anterior: a descrença no amor e o que as pessoas esperam umas das outras. Mas as referências mudaram. Gabriel, Rodrigo Curi (guitarra), Daniel Campos (baixo) e Mario Mamede (bateria) exploram o universo do cinema. "Beijo de Filme" e "Bonanza" tem um quê de faroeste. "O disco flerta com Enio Morricone e com filmes de ação, faroeste. A gente se inspirou no amor hollywoodiano, que não é compatível com o da vida real. Também buscamos como referência Quentin Tarantino, que resgata coisas antigas em seus filmes. Estamos incorporando tudo ao som", diz Gabriel. O disco terá dez músicas inéditas, e duas regravações de canções antigas: "Adeus" e "2046".