Na Estrada com o Raconteurs

Os bastidores da turnê da outra banda de Jack White

Austin Scaggs Publicado em 08/07/2008, às 15h41

DOIS PARES DE AMIGOS (Da esq. para a dir.): White, Keeler, Benson e Lawrence

Enquanto Jack White escrevia "Carolina Drama", a balada sobre um assassinato que fecha o novo álbum do Raconteurs, Consolers of the Lonely, ele recebeu alguns conselhos de um certo amigo a respeito de como compor. Na canção, um garoto chamado Billy mata o namorado da mãe, e White ficou com medo de que o nome do protagonista já estivesse batido. "[O nome] está em 'Billy, Don't Be a Hero' e em 'Ode to Billie Joe', e Bob Dylan o usou na trilha de Pat Garrett and Billy the Kid", diz White. Então, White - que tocou com Dylan em um show recente - perguntou a seu ídolo o que deveria fazer: "Dylan disse que eu devia mudar o nome para Eddie". (Dylan, obviamente, estava brincando.)

Na churrascaria e bar Stubb's, em Austin (Texas), no início de maio, a faixa é um dos pontos altos da apresentação ao vivo do Raconteurs. Antes do show, White ergue as persianas do camarim para deixar o sol entrar. "O dia está tão lindo", ele diz. Os outros - o também compositor, vocalista e guitarrista Brendan Benson, o baterista Patrick Keeler e o baixista "Little" Jack Lawrence - estão igualmente agitados. Depois de se ralarem para lançar Consolers em março, apenas uma semana depois de anunciarem que estava pronto, a turnê serve mais como uma recompensa.

"Estou cansado de viver em medo constante das gravadoras sobre como se deve lançar um disco", diz White. "Lançar em digital primeiro, explicar um trabalho que ninguém ainda escutou, colocar uma coisa no iTunes, fazer uma apresentação ao vivo na internet - todas essas merdas imbecis." Benson completa: "O mais engraçado é que o conceito não poderia ser mais simples, e as pessoas enlouquecem por causa disso".

Você lê esta matéria na íntegra na edição 22 da Rolling Stone Brasil, julho/2008