Pés no chão

Espontâneo e relaxado, Skank lança disco menos planejado e mais visceral

Pablo Miyazawa Publicado em 16/10/2008, às 18h55

A pouco mais de uma semana do lançamento de Estandarte, oitavo disco só de inéditas do Skank, o grupo se prepara para estrear as novas músicas em shows. Nos ensaios, "Chão", "Canção Áspera" e "Pára-Raio", entre outras, soam idênticas às gravações originais. "Mas isso não é sem motivo", explica um satisfeito Samuel Rosa, ao final de mais um dia de ensaio. "Muitas dessas faixas surgiram com o Skank tocando ao vivo, então a adaptação pro show é mais fácil."

Pela primeira vez em 15 anos, o quarteto mineiro entrou em estúdio sem levar um material preparado previamente. "Saímos da estrada para o estúdio quase que instantaneamente, sem nenhuma música nova. Zero", confessa o vocalista e guitarrista de 42 anos, 17 à frente do Skank. Um mês de jams e sessões de improviso músicas mais 'radiofônicas' no início, e as que a gente 'brincou' mais lá no final. Ficou como se fosse o lado A e o lado B de um disco de vinil."