A Voz de Deus

Premiações musicais entregam nas mãos do público o poder divino da decisão

Por Renata Honorato Publicado em 10/11/2008, às 12h13

Nunca se participou tanto. Nunca se votou tanto. Nunca se decidiu tanto. Desde que os organizadores de alguns dos mais importantes prêmios musicais adotaram a postura de ouvintes, o público deixou de lado o perfil passivo e ocupou sorrateiramente o lugar dos críticos e especialistas.

É o caso, por exemplo, do Video Music Brasil (da MTV) e do Prêmio Multishow. No lugar de um corpo de jurados formado por um grupo restrito (e desconhecido) de pessoas, as emissoras, em busca de uma saudável inversão de papéis, decidiram colocar nas mãos do povo a decisão de escolher. Criado em 1995, o VMB tinha seu resultado definido algumas categorias por um júri, e outras pela audiência. O panorama foi se alterando pelos anos, até chegar ao formato atual, em que todas as categorias são escolhidas por voto popular. Já o do Multishow, desde 1994, sempre se valeu do telespectador para a seleção dos vencedores.