Pulse

Mar Aberto

Alceu Valença busca inspiração no litoral e em repertório esquecido

Por Cristiano Bastos Publicado em 08/04/2009, às 10h37

Alceu valença, o bardo de São Bento do Uma (Pernambuco), se define nos seus 35 anos de carreira: "Sou um artista plural". De fato, timbres plurais - desta vez litorâneos - marcam o novo disco, Ciranda Mourisca, o primeiro do músico pelo selo Biscoito Fino. Os "sons marítimos", contudo, já se ouviam desde o primeiro disco de Alceu (de 1972, em parceria com Geraldo Azevedo), especialmente em canções como "Planetário": "A diferença é que agora, porém, neste disco tudo foi elaborado conscientemente", ele explica.

A ideia de Ciranda Mourisca, na verdade, nasceu de "Ciranda da Rosa Vermelha", composição de Alceu que Elba Ramalho transformou em hit. Até então, a canção seguia inédita na interpretação do criador. No disco, ela ganhou nova versão junto com outras, pinçadas de sua própria discografia. No repertório, Alceu optou por escolher entre aquelas que "não foram parar em rádios ou coletâneas".

Você lê esta matéria na íntegra na edição 31, abril/2009