Alex Band

Líder do The Calling explica a situação da banda (e o amor pelo Brasil)

Por Tiago Agostini Publicado em 13/07/2009, às 11h37

Relação com o Brasil

"Na primeira vez que toquei no país, em 2002, amei a comida, a cultura, o clima e principalmente os fãs, que são muito devotados. Não é em todo lugar que as pessoas cantam todas as músicas. O Brasil se tornou meu local favorito para tocar e coloquei como meta voltar sempre que possível."

O futuro do The Calling

"A banda sempre causou muita confusão. Na verdade, ela nunca foi uma banda de fato, eu contratava pessoas para tocar comigo a cada disco e turnê novos, então os integrantes estavam sempre mudando. Chegou um momento em que decidi usar meu próprio nome, mas a música não muda."

Novo álbum recusado

"Eu terminei as gravações há dois anos e a Universal o recusou. Agora que saí da gravadora vou lançá-lo de forma independente nos Estados Unidos. O primeiro single sai em agosto e o álbum em outubro. No resto do mundo ele deve sair por uma grande gravadora, um pouco mais tarde. Eles adoraram o disco e é isso o que importa. Cansei de brigar com gravadoras."

A bagunça da indústria musical de agora

"A facilidade em se conseguir música de graça mudou muita coisa. As gravadoras gastam apenas algumas semanas divulgando novos artistas, sendo que antigamente eram meses e meses tentando emplacálos. Mas há a facilidade de divulgação na internet, e se você quer realmente comprar algo está mais fácil. Não roubem, por favor! Este é o momento para tentar novas formas de negócios. Eu vou vender minhas músicas no site, por exemplo."

Música de graça

"Na verdade eu queria que todas as músicas fossem de graça, mas infelizmente é caro gravar uma música e, bem, eu também tenho que viver e pagar as contas [risos]."