Fala... Que Ninguém Escuta

Tendência absoluta no exterior, rádios online ainda sofrem com falta de estrutura e boas ideias no Brasil

Por Filipe Albuquerque Publicado em 13/07/2009, às 12h12

Música e internet têm uma relação óbvia e estreita. Desde que o jovem Shawn Fanning descobriu que era possível compartilhar discos após criar um software chamado Napster, a humanidade nunca mais ouviu música do mesmo jeito. A web mudou o paradigma de consumo de música. E o rádio como se conhece também mudou o curso e encontrou na internet uma nova plataforma para transmissões. Agora, dá para ter acesso da balada mais melosa ao single mais obscuro na mesma emissora digital, ou então optar por uma programação diária só de lados B ou nomes frescos do pop mundial. É o fim da sensação de que o repertório do rádio significa uma relação predefinida de sucessos e flashbacks executados por 24 horas a fio.

No exterior, as referências são diversas. Comprada pelo casal Doug e Linda Balogh em 1983 por US$ 375 mil, a emissora norte-americana Woxy.com desde 1997 é obrigatória para os interessados em música nova com qualidade de transmissão e inovação. A conterrânea KCRW.com e a australiana Triple J (www.abc.net.au/triplej) seguem na mesma esteira, dando as cartas do novo pop global.

Mas esses altos padrões ainda não são necessariamente aplicados no Brasil. Aqui, o amadorismo e a falta de preparo ainda pautam grande parte das programações. Segundo o portal Tudoradio.com, há cerca de 5 mil estações brasileiras operando na internet. Destas, 95% podem ser classificadas como fundo de quintal. E aí, diferentemente do que se observa lá fora, com rádios apontando tendências, atirar para todos os lados com pouco foco ou ousadia é a tônica do segmento. É quando qualidade - estética e artística - passa a ser a menor das prioridades.

"Para a maioria das pessoas que estão envolvidas com isso, é tudo novidade", opina Daniel Starck, diretor do portal Tudoradio.com e responsável pelas emissoras digitais Brasilwebradio (em breve com aplicativo para iPhone) e Radiotransitoweb. "Por isso, o amadorismo e a ideia de que qualquer um pode fazer derrubam a qualidade e afugentam possíveis investimentos comerciais", diz Starck, que define a programação de boa parte das onlines hoje como "totalmente sem sentido". Salvo exceções, as emissoras "não sabem o que estão fazendo e para quem estão fazendo. São poucas as que possuem algum projeto decente, e isso inclui a estética e a programação em si", avalia.

Também especializado no segmento, o site Radios.com. br contabiliza um número fabuloso de estações religiosas e links para rádios cujos nomes não dizem absolutamente nada sobre a programação - Radio Giga, Rede ao Vivo, Toca Tudo Mundial, Coesa Hits são alguns exemplos.

Criada em 2005, a RedeBlitz destoa um pouco do amadorismo das colegas. Com investimento inicial de R$ 20 mil, nasceu (móvel, em uma Kombi) com objetivos definidos, ainda que pouco vanguardistas. "O foco é numa programação jovem e pop rock", avisa Roberto Vilela, diretor geral da emissora, que ressalta ter levado seis meses para definir o conceito da rádio. Para ele, a melhor maneira de atrair audiência é oferecer ao público a oportunidade de interferir na programação e receber o mérito por isso. "Tentamos a interação ao máximo com o ouvinte. Ele manda o recado, toca o som que ele quer." Ferramentas como MySpace, Orkut, Twitter e Skype também estão no menu da rádio, com 8 mil acessos únicos diários.

A cena das webradios brasileira é completada ainda pelos sites das emissoras tradicionais, aquelas do dial, que disponibilizam a programação em streaming no próprio site. Já os grandes portais de internet, por sua vez, investem em tecnologia e variedade para prender o ouvinte no computador. O foco principal da Rádio UOL está em "o internauta poder ouvir a música que quiser, na hora que quiser", informa Jan Fejd, diretor do UOL Megastore. Assumidamente eclético, o serviço está baseado em canais para cada gênero musical - do axé à world music - e em mais 13 programas, "feito para que o ouvinte tenha opções de, além de criar sua própria programação, poder ouvir programas exclusivos dentro do seu nicho de interesse", diz Fejd.

Já o portal Sonora, do site Terra, oferece 200 emissoras de rádios "on demand" e mais de 1 milhão de músicas (sempre disponíveis) no acervo. "O objetivo é levar música de todos os gêneros para o internauta, da forma que ele preferir", explica Beni Ostenberg, gerente de produto do Sonora. "Quando o internauta ouve a rádio dos programadores, ele pode pegar a música de que mais gosta e criar uma rádio própria", informa. Além do serviço gratuito, ainda há uma outra opção a partir de R$ 14,90 que permite baixar músicas para o PC, MP3 player ou celular.

Um detalhe sobre ambos os serviços: nenhum traz a figura do locutor apresentando músicas ou falando entre uma atração e outra. Para quem não abre mão dessa tradição, ainda resta ir atrás dos cada vez mais populares podcasts musicais em português. As opções são muitas e variadas, mas - para o bem do ouvinte - de excelente qualidade.