Mais Baianos

Completando 40 anos de carreira, o Novos Baianos quer fazer mais shows em 2009

Por José Flávio Júnior Publicado em 13/07/2009, às 12h22

Quarenta anos depois, Baby continua em forma

Ver Galeria
(2 imagens)

O show do dia 3 de maio na Virada Cultural não será o último das comemorações dos 40 anos dos Novos Baianos. Quem não presenciou a performance histórica em plena avenida São João, no centro de São Paulo, pode ficar seguro de que Baby do Brasil, Paulinho Boca de Cantor, Pepeu Gomes, Galvão, Dadi, Didi e Jorginho voltarão a tocar em 2009.

Apesar dos integrantes não terem conseguido se reunir após a apresentação, já há um escritório tentando armar uma turnê de uns dez shows pelo interior de São Paulo. Também há planos de uma apresentação ao ar livre no Rio de Janeiro, mais precisamente nos Arcos da Lapa. Nessas futuras aparições, a única ausência quase certa é a de Moraes Moreira, exatamente como ocorreu na Virada. "A gente sempre chama o Moraes para participar, não temos problema nenhum com ele. Mas ele preferiu seguir com a carreira solo", afirma Paulinho. O empresário de Moraes confi rmou o desinteresse do músico por essa volta. Curiosamente, ele deve seguir divulgando A História dos Novos Baianos e Outros Versos, seu mais recente CD e DVD.

A verdade é que na Virada Moraes não fez falta. Feliz com a repercussão do espetáculo, Baby é realista com relação ao futuro do grupo. "Não é nada fácil juntar todo mundo. Cada membro tem sua carreira individual. E, para conseguirmos brechas nas agendas, precisamos de uma remuneração esplêndida, de um patrocinador que entenda que o show dos Novos Baianos não é barato", diz a cantora, que impressionou o público do evento com sua voz ainda cristalina.

Pastora (ou "popstora", como prefere) de sua própria igreja evangélica, intitulada Ministério do Espírito Santo em Nome do Senhor Jesus Cristo, Baby não atribui sua boa forma apenas à graça divina. "Há nove anos faço todo tipo de procedimento para rejuvenescer. Desde tomar soro de vitaminas até colocar ozônio no sangue." Prestes a completar 57 anos, ela está totalmente inserida no meio gospel. Nem por isso ela renega o passado. "Sempre entendi o Novos Baianos como algo único. O jeito como aquilo foi feito nunca mais se repetirá. A gente viveu na mesma casa por dez anos! Novos Baianos é puro amor. Temos de cuidar bem dessa jóia."

No show da Virada, Baby falou que uma das coisas fundamentais para a reunião da banda havia sido a eleição de Acabou Chorare (1972) como melhor disco da música brasileira na Rolling Stone. Para Paulinho, essa enquete feita entre jornalistas foi uma redenção. "O disco já tinha sido escolhido como o décimo melhor da MPB. Depois ficou em terceiro em outra votação. Depois, segundo Até que veio esse primeiro lugar, que foi simbólico, já que só formadores de opinião votaram. A nossa anarquia foi reconhecida." A vitória pautou o repertório da apresentação na avenida São João, que só não teve o Acabou Chorare inteiro porque a organização do evento cortou o bis que a banda havia preparado.

O projeto mais ambicioso dos Novos Baianos é gravar um Acústico MTV. Segundo os cantores ouvidos pela reportagem, a emissora já fez sondagens e ninguém do grupo se opôs. Baby quer é que aconteça logo. "A gente já está vivendo o apocalipse. Em 2012, a barra vai pesar. Essa crise financeira é um indício de que estamos imbicando..." Em tempo: "Barra Lúcifer" não deve entrar no setlist. "Essa música é legal, mas chega de dar moral para esse cara", manda a popstora.