Um "Pow" nas Paradas

“Boom Boom Pow” mostra a nova sonoridade festeira do grupo de Fergie

Por Brian Hiatt Publicado em 13/07/2009, às 12h17

É para valer, de acordo com a nova música de trabalho do Black Eyed Peas: Fergie está quase mil anos à frente do resto de nós. "3000 pra mim já é passado/ Você está em 2000 e atrasado", ela manda em "Boom Boom Pow", um rap de fazer tremer a pista que, uma semana após ser lançado nos Estados Unidos, em abril, se tornou a primeira música do Peas a virar número 1 nas paradas locais.

Curiosamente, no Brasil a banda é frequentadora assídua das paradas de rádio. Para Marcos Vicca, diretor artístico da Mix FM de São Paulo, a boa relação entre a banda e o país é a principal foca por trás desse sucesso - complementado ainda por meio de parcerias com artistas nacionais, como Marcelo D2 e Sergio Mendes. "Manter uma relação próxima ajuda demais a carreira de um artista, que deixa de ser só mais um norte-americano", diz. Na Mix, "Boom Boom Pow" chega a tocar oito vezes em um só dia.

"Boom", o primeiro single do disco The E.N.D. (sigla em inglês para "Energia Nunca Morre"), Mais Baianos 34 P&R "SOU PERFEITO" Liam Gallagher fala sobre mudança, Beatles e o Oasis. com lançamento previsto para 9 de junho no Brasil (em edições simples e deluxe, com um disco bônus), é entretenimento descarado, alternando uma batida esparsa de electro com uma dupla de eurodance.

E de certa forma, segundo o líder e produtor da banda, Will.I.Am, o estilo hedonista e dançante da canção e do álbum é uma resposta à crise econômica: "Nós poderíamos ter pensado assim: 'A gente não entra na parada há algum tempo, eu acabei de fazer a campanha do Obama - a gente precisa de uma nova "Where's the Love"', diz Will, em referência ao sucesso de 2003. "Mas acho que, em vez disso, devemos dar às pessoas uma área de escape. Algo pra deixá-las empolgadas e fazêlas esquecer seus problemas."

No conjunto da obra, o The E.N.D. tem o peso dos efeitos eletrônicos e das batidas quatro por quatro - que Will associa aos grooves disco do Sugarhill Gang e à devoção ao Kraftwerk de Afrika Bambaataa. "As pessoas estão percebendo quão sem limites o hip-hop realmente é", diz ele. "Hip-hop é o Jungle Brothers tocando 'I'll House You'. Se o hip-hop está morto, é porque tem palhaços que acham que ele é algo limitado." Voltando ao refrão futurista-desdenhoso da canção, Will diz que compôs "Boom" com o vídeo já em mente - ele imaginou o clipe com flashes de efeitos digitais a cada vez que os vocais fossem acentuados com o programa Auto-Tune.

"Boom", assim como muito do resto do álbum, se inspira na cena hipster electro de Los Angeles. "Will e Apl voltavam de uma balada e diziam: 'Tem gente grande fazendo som!'", diz Fergie. "Mais um ingrediente pra nossa mistura." O clima da banda estava realmente bom pra um disco de balada. "O Will foi um holograma na CNN, a Fergie fez sucesso sozinha, o Apl.de.ap virou o rei das Filipinas", diz o outro integrante do grupo, Taboo. "E eu fiz meu primeiro filme de ação, o Street Fighter A Lenda de Chun-Li. Estávamos todos em alta pelos nossos êxitos individuais."

O Black Eyed Peas ainda não anunciou as datas de shows - mas está pensando em ideias não ortodoxas para a turnê, inclusive montar palcos próprios, em vez de tocar em lugares conhecidos. Enquanto isso, vai fazendo os festivais europeus - e abrindo pro U2 em algumas datas nos Estados Unidos. Eles sabem que ganhar esse público será um desafio: "Nós podemos incluir uma sessão de rock no nosso show, como quando eu fiz uma versão de 'Barracuda' na minha turnê solo", diz Fergie. "Isso nos dá força para trabalhar mais."