FUTURO PERFEITO

Por que a salvação da da indústria Pop passa obrigatoriamente pelos não videogames

POR PABLO MIYAZAWA Publicado em 05/08/2009, às 11h58

Na aparição relâmpago que fi zeram na coletiva de abertura da feira Electronic Entertainment Expo (E3), Paul McCartney e Ringo Starr pareciam peixes fora d'água. "O jogo é bom, os gráfi cos são ótimos, eu estou lindo", anunciou Ringo, se referindo a The Beatles: Rock Band, o aguardado simulador musical estrelado pelos Fab Four. "Quem diria que viraríamos andróides?", emendou Paul, fazendo questão de não soar como expert. Inesperada, a participação da dupla ofuscou outras personalidades que também deram as caras no evento, o maior da área, ocorrido de 1 a 4 de junho, em Los Angeles: Steven Spielberg exaltou o "Project Natal", um acessório para o Xbox 360 que permite a interação virtual sem o uso de joysticks (o nome, referência à cidade brasileira, foi dado pelo criador, o engenheiro curitibano Alex Kipman). Pelé, o tenista Pete Sampras, o cineasta James Cameron, Eminem, Jay Z e o ator Jack Black, cada um a seu modo, também prestigiaram o mais rentável setor do entretenimento, hoje considerado por especialistas o único porto seguro da indústria pop. A seguir, conheça alguns dos principais jogos exibidos na E3.